Zap Comix

Zap Comix

A Zap foi mais que um grupo de jovens que resolveram fazer uma revista sem pedir permissão a grandes editores e autoridades: foi um movimento. Esta antologia da Zap, edição criada especialmente para o Brasil, é fundamental para entender o que foi a década de 60 e o sarcasmo subversivo desses artistas contra tudo e contra todos.

Zap Comix A Zap foi mais que um grupo de jovens que resolveram fazer uma revista sem pedir permissão a grandes editores e autoridades: foi um movimento. Esta antologia da Zap, edição criada especialmente para o Brasil, é fundamental para entender o que foi a década de 60 e o sarcasmo subversivo desses artistas contra tudo e contra todos.

Criada em 1968 por Robert Crumb e Don Donahue na cidade de São Francisco, a revista buscava se contrapor aos quadrinhos mainstream, apresentando uma nova postura na produção de histórias em quadrinhos e fugindo das amarras do Código de Ética dos Quadrinhos (Comics Code), que então predominava no país. Assim, enquanto os quadrinhos tradicionais propugnavam histórias sem violência, sexo, drogas e, principalmente, qualquer tema que pudesse ter relevância social, a Zap Comix – e as demais publicações alternativas que a seguiram -, levavam essas questões ao seu ponto máximo, demonstrando o potencial dos quadrinhos para tratar de questões do mundo real.

A revista foi um sucesso estrondoso. Em pouco tempo, ainda que vendida de mão em mão pelo próprio Crumb nas esquinas de São Francisco, a tiragem inicial do primeiro número – 4 mil exemplares – esgotou-se rapidamente, tendo que ser providenciada uma segunda, de 5 mil. Logo, outros números se seguiram, com crescente popularidade.

Além de criador do título, Robert Crumb foi também o nome de maior destaque na revista. No entanto, ele, aos poucos, afastou-se de sua direção, transformando-a numa cooperativa de autores e abrindo espaço para as contribuições dos maiores nomes dos quadrinhos alternativos norte-americanos – S. Clay Wilson, Victor Moscoso, Rick Griffin, Gilbert Shelton, Spain Rodriguez, entre outros -, fazendo dela uma das publicações mais importantes de sua época, abrindo caminho para o movimento de valorização da linguagem quadrinhística e influenciando autores no mundo inteiro.

A coletânea da revista, agora disponível aos leitores brasileiros, permite aos mais velhos relembrar as sensações vividas ao final da década de 60, época de contestação e quebra de paradigmas, bem como, aos mais novos, entrar em contato com a produção de toda uma geração de autores que, ao não se contentar com a mediocridade, abriram caminho para que as histórias em quadrinhos deixassem o gueto das publicações infantis e pudessem ser vistas como uma das mais importantes manifestações culturais do século 20.

1 comentário em “Zap ComixAdicione o seu →

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *