Socráticas – José Paulo Paes

Socráticas – José Paulo Paes

José Paulo Paes deixou pronto este livro. O último poema, entretanto, foi incluído postumamente. ”Dúvida” foi encontrado no computador do poeta; a data da última gravação é 8 de outubro de 1998, véspera da morte. No breve prefácio de Socráticas, Alfredo Bosi escreve – ”Desta cidade poenta e ruidosa José Paulo Paes quis e soube ser uma espécie de Sócrates em tom menor – a consciência vigilante que interroga e incomoda ”. Ironia e auto-ironia são formas de expressão disseminadas por toda a sua obra. Estão presentes, por exemplo, no poema ”Do Evangelho de São Jerônimo” (o santo dos tradutores), entre outros.

José Paulo Paes deixou pronto este livro. O último poema, entretanto, foi incluído postumamente. ”Dúvida” foi encontrado no computador do poeta; a data da última gravação é 8 de outubro de 1998, véspera da morte. No breve prefácio de Socráticas, Alfredo Bosi escreve – ”Desta cidade poenta e ruidosa José Paulo Paes quis e soube ser uma espécie de Sócrates em tom menor – a consciência vigilante que interroga e incomoda […]”. Ironia e auto-ironia são formas de expressão disseminadas por toda a sua obra. Estão presentes, por exemplo, no poema ”Do Evangelho de São Jerônimo” (o santo dos tradutores), entre outros.

Links Retirados
Links Retirados

1 comentário em “Socráticas – José Paulo PaesAdicione o seu →

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *