Sobre feminismo e As Crônicas de Gelo e Fogo

Sobre feminismo e As Crônicas de Gelo e Fogo

Ao ser questionado se estava surpreso com o intenso debate acerca de “As Crônicas de Gelo e Fogo” possuir ou não caráter feminista, George R. R. Martin respondeu o seguinte …

Por Lizzy

Ao ser questionado se estava surpreso com o intenso debate acerca de “As Crônicas de Gelo e Fogo” possuir ou não caráter feminista, George R. R. Martin respondeu o seguinte:
“Na verdade não. Penso que é bom as pessoas debaterem essas questões. Obviamente, não acho que eu seja misógino ou racista como alguns críticos dizem. Eles estão simplificando demais a leitura. Com certeza, eu sou um homem branco de 62 anos e nenhum de nós escapa inteiramente dos valores que nos são passados enquanto somos jovens, mesmo se os rejeitássemos (eu, por exemplo, rejeitei o Catolicismo). Não me apego em um paradigma feminista. Mas estou muito satisfeito, (…)de fato tenho inúmeras fãs mulheres que amam minhas personagens femininas e tentei fornecer uma variedade de personalidades do sexo feminino. O que quero mostrar com meus personagens é que todos somos humanos.”

Certo. Vamos lá. Em primeiro lugar, eu não acredito que “As crônicas de gelo e fogo” seja uma obra sexista e misógina. Não que seja essencialmente feminista, não! A diferença? A diferença está em lermos um livro do John Grisham, em que todas as mulheres giram em torno do personagem masculino principal. São fúteis, dedicadas unicamente ao lar, ao companheiro, aos filhos; e depois lermos o livro “Tomates verdes fritos” da Fannie Flagg – no qual as personagens femininas são independentes, companheiras umas das outras, sempre unidas e donas de si mesmas.
No primeiro exemplo, o machismo é colocado como algo natural, não nocivo. No segundo, percebemos quão doentio ele pode ser e como as coisas tornam-se melhores ao combatê-lo. Entretanto, apegar-se a uma versão feminista dos acontecimentos não foi a intenção do Martin, colocar todas as mulheres como frágeis e fúteis também não.
Agora, o mundo criado por Martin é sexista, machista? Sim, completamente. E as personagens sofrem com isso. É só voltar um olhar mais atento para personagens como Sansa, Cersei, Renly, Sor Loras, Brienne e veremos como os estereótipos de gênero limitam as vidas dessas pessoas.. Mas não acredito que George coloque isso como algo bacana, algo natural, ele apenas mostra como as coisas são e nós [email protected] temos a possibilidade de escolher qual percepção melhor nos agrada.
Uma(um) feminista, ao ver Renly e Sor Loras mantendo um relacionamento em segredo por medo das consequências, irá refletir sobre o quão ruim é uma sociedade machista que dita padrões de comportamento  opressores para ambos os gêneros. Homens são pressionados a serem insensíveis e até violentos, enquanto a insegurança, a fraqueza e a amabilidade são características impostas ao sexo feminino.

Fonte: Homem feminista de verdade
Vai compreender a frustração de Cersei quando esta confessa que teve toda a sua vida limitada pelo fato de ser mulher, que o seu pai sempre foi mais generoso com Jaime por ser homem, que era obrigada a brincar de bonecas enquanto seu irmão aprendia a ser um cavaleiro. Por que Cersei não poderia montar em cavalos e usar uma espada, por que ela não poderia governar seu próprio castelo?

“Não aguento quando acham que feminismo
é sinônimo de odiar homens” Fonte: Não aguento quando

“Não me apego em um paradigma feminista. (…) O que quero mostrar com meus personagens é que todos somos humanos.”

Essa afirmação do George poderia abrir espaço para diversas interpretações, e como muita gente não abre mão de um senso comum, poderiam dizer que o George quis afirmar-se “humanista, não feminista”. Acontece que com um pouco de boa vontade e leitura, descobrimos que ser feminista é simplesmente reconhecer que vivemos em uma sociedade sexista, opressora e que é importante lutar ou ter empatia por [email protected] que lutam pela mudança desse paradigma. Fazer uma leitura feminista do que está ao nosso redor muito contribui para isso.

Não odiar as personagens por razões sexistas é um bom começo. Cersei é extremamente criticada pela sua sexualidade, mas não fazemos o mesmo com Jaime, por exemplo. Além disso, a beleza e sexualidade de Cersei parecem ser ofensivas para alguns. Contraditoriamente, Brienne é criticada por ser demasiada “feia”, “masculina” e até “frígida”. Se, por outro lado, o alvo de comentários for Sansa, ela é diminuída pela fraqueza e feminilidade excessivas. E assim por diante.

Calma aí, você está dizendo que é ofensivo ser feia ou bonita demais
e que a mulher não é dona da  sua sexualidade? Moç@, você é machista!

Pessoas apresentam uma diversidade enorme de características e comportamentos independente do gênero a que “pertencem”. Assim, como leitora, espero que o George continue desenvolvendo as personagens fantásticas que criou sem limitá-las a estereótipos misóginos e machistas. Há muito potencial de empoderamento feminino em personagens como Danny, Arya, Margaery, Asha e Brienne, só para citar algumas.

O importante é dar visibilidade às personagens femininas, não colocando-as como meras decorações incapazes de desempenhar papéis reservados aos personagens masculinos. Afinal, papéis de gênero são conceitos socialmente construídos, podendo não corresponder ao sexo biologicamente predominante. Cabe a nós questionar essa construção social, aceitando que as escolhas individuais se superponham às imposições sociais dominantes.

As mulheres de Game of Thrones sofrem limitações por causa do mundo sexista em que vivem, não por conta de suas características “naturais”. É só observar como Asha é tão boa guerreira quanto Theon, na verdade bem melhor, mas ainda assim é duramente criticada por querer assumir o lugar do pai.

Enfim, tudo isso são percepções minhas, espero que possamos debater melhor essas questões nos comentários!

5 comentários em “Sobre feminismo e As Crônicas de Gelo e FogoAdicione o seu →

  1. "Não odiar as personagens por razões sexistas é um bom começo. Cersei é extremamente criticada pela sua sexualidade, mas não fazemos o mesmo com Jaime, por exemplo."

    Na verdade, a única mulher com quem Jaime ja se deitou foi a Cersei :-). Mas é óbvio que, em um mundo sexista ao extremo, como o mundo de Game of Thronnes ou TWD, sexo é uma moeda de troca.

  2. Adorei o texto!
    Gosto muito de Guerra dos Tronos e, realmente, o universo criado por Geroge R. R. Martin é muito machista e opressivo,
    Mas eu acho que ele criou muitas personagens femininas fortes e inspiradoras, que apesar de sofrerem com o sexismo, se destacam pela personalidade e coragem.
    Minha preferida é a Arya!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *