Precisamos Falar Sobre o Kevin – Lionel Shriver

Precisamos Falar Sobre o Kevin – Lionel Shriver

A partir de um crime brutal, este best-seller mundial discute maternidade e casamento, família e carreira. Eva Katchadourian na verdade nunca quis ser mãe – muito menos a mãe de um garoto que matou sete de seus colegas de escola, uma professora queridíssima, e um servente de uma escola dos subúrbios classe A de Nova York. Para falar de Kevin, 16 anos, autor desta chacina, preso em uma casa de correção de menores, a escritora Lionel Shriver arquitetou um thriller psicanalítico onde não se indaga quem matou. A trama se desenvolve por meio de cartas nas quais a mãe do assassino escreve ao pai ausente. Nelas, procura analisar os motivos da tragédia que destruiu sua vida e a de sua família. Dois anos depois do crime, ela visita o filho regularmente. Aterrorizada por suas lembranças, Eva faz um balanço de sua trajetória onde analisa casamento, carreira, família, maternidade e o papel do pai. Assim, constrói uma meditação sobre a maldade e discute um tabu: a ambivalência de certas mulheres diante da maternidade e sua influencia e responsabilidade na criação de um pequeno monstro. Ao relembrar o passado, reexamina desde o seu medo de ter um filho ao parto do bebê indócil que assustava as baby-sitters. Mostra o garoto maquiavélico que dividia para conquistar. Exibe o adolescente que deixava provas de péssima índole. “Precisamos falar sobre o Kevin” cria polêmicas ao analisar as sociedades contemporâneas que produzem assassinos mirins em série ou pitboys. Estimula discussões sobre culpa e empatia, retribuição e perdão nas relações familiares, e nos leva a debater uma questão tenebrosa: poderíamos odiar nossos filhos?

A partir de um crime brutal, este best-seller mundial discute maternidade e casamento, família e carreira. Eva Katchadourian na verdade nunca quis ser mãe – muito menos a mãe de um garoto que matou sete de seus colegas de escola, uma professora queridíssima, e um servente de uma escola dos subúrbios classe A de Nova York. Para falar de Kevin, 16 anos, autor desta chacina, preso em uma casa de correção de menores, a escritora Lionel Shriver arquitetou um thriller psicanalítico onde não se indaga quem matou. A trama se desenvolve por meio de cartas nas quais a mãe do assassino escreve ao pai ausente. Nelas, procura analisar os motivos da tragédia que destruiu sua vida e a de sua família. Dois anos depois do crime, ela visita o filho regularmente. Aterrorizada por suas lembranças, Eva faz um balanço de sua trajetória onde analisa casamento, carreira, família, maternidade e o papel do pai. Assim, constrói uma meditação sobre a maldade e discute um tabu: a ambivalência de certas mulheres diante da maternidade e sua influencia e responsabilidade na criação de um pequeno monstro. Ao relembrar o passado, reexamina desde o seu medo de ter um filho ao parto do bebê indócil que assustava as baby-sitters. Mostra o garoto maquiavélico que dividia para conquistar. Exibe o adolescente que deixava provas de péssima índole. “Precisamos falar sobre o Kevin” cria polêmicas ao analisar as sociedades contemporâneas que produzem assassinos mirins em série ou pitboys. Estimula discussões sobre culpa e empatia, retribuição e perdão nas relações familiares, e nos leva a debater uma questão tenebrosa: poderíamos odiar nossos filhos?

 

1 comentário em “Precisamos Falar Sobre o Kevin – Lionel ShriverAdicione o seu →

    1. Este livro é sensacional! Peguei-me refletindo, por diversas vezes, o modo como educo meus filhos. A dúvida entre nascer bom ou tornar-se bom permeou-me a leitura inteira…

  1. Recomendo demais esse hein?

    Muito bom, e faz você refletir sobre questões como se há alguém culpado, e se há, quem é? O homem é 'feito' seguindo o ambiente em que é criado? Ou ele se faz daquele jeito?

  2. Leitura pesada, recomendavel principalmente para quem tem filhos, faz se pensar como erramos na forma de cria-los, e onde buscamos os culpados pelos erros que sao nossos.

  3. Acho que foi um dos melhores livros que eu li na minha vida! narrativa cativante, envolvente e intensamente profunda. É refelxão atrás de reflexão, é tapa na cara atrás de tapa na cara.

    E além de ser uma história cativante, ela é estranhamente fiel à realidade, tendo em vista a descrição dos fatos e diversos estudos sobre desenvolvimento (eu conheço mais pela área da psicanálise).

    Todo mundo devia ler uma vez na vida, se emocionar (ou não) e é isso ae!!

  4. Já vi o filme e achei bastante denso e pelo que li o livro parece ser ainda melhor. Procurei o livro em vários sebos e inclusive no Skoob para trocar e não encontrei, mas agora achei aqui e vou poder ler!

  5. Assisti primeiro ao filme e gostei tanto do drama psicológico, que fui atrás do livro. Achei que o livro é muito fiel ao filme, com exceção do final. Deveria ter lido antes, é um livro recomendadíssimo. Ainda bem que é uma obra de ficção, confesso que fique assombrada com algumas passagens…

  6. Apesar de não conhecer quase nada da Lionel Schriver, posso dizer que "Precisamos falar sobre o Kevin" foi minha grande descoberta literária de 2011. Esse livro foi suficiente pra me deixar prendada pela escritora e desejar ler outros livros seus.

    É um livro forte, que nos faz pensar e refletir muito sobre a relação entre pais e filhos; pude perceber que, em alguns casos, é tarefa muito árdua exercer o papel de mãe, sobretudo quando se tem um filho feito o Kevin.

    A leitura foi excelente, mas me deixou meio anestesiada, com um gostinho amargo na boca.

    Abaixo, deixo um trechinho da obra:

    "Você só consegue afetar quem tem consciência. Só pode punir quem tem esperanças para serem frustradas ou laços a serem cortados; quem se preocupa com a opinião dos outros. Você, na verdade, só consegue punir quem já é pelo menos um pouquinho bom."

    Boa leitura a todos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *