Peter Pan e Wendy – James Matthew Barrie

Peter Pan e Wendy – James Matthew Barrie

Apresentado aqui em versão integral, Peter Pan e Wendy é um dos grandes clássicos da infância. A história circula no Brasil sobretudo como desenho animado ou em edições simplificadas. O encanto não se perde, é verdade, mas é preciso conhecer o texto de J. M. Barrie para testemunhar a alta qualidade literária da obra.
A figura de Peter Pan é o melhor exemplo da densidade psicológica surpreendente que o autor infunde a seus personagens. Peter, como se sabe, é o menino que se recusa a crescer. Tudo o que deseja na vida é ser exatamente o que já é: criança. Outra característica sua é que ele esquece as coisas. Está sempre se metendo em mil aventuras e no minuto seguinte já não se lembra delas. É tão desmemoriado que chega a esquecer quem é Wendy. De Sininho, então, nem se fala.
A falta de memória ajuda Peter Pan a não crescer. Se ele não se lembra do que já viveu, fica com a impressão de que mesmo as coisas repetidas estão acontecendo pela primeira vez. É por isso que às vezes as alegrias e as tristezas dele são tão fortes. É o que acontece, por exemplo, numa de suas lutas contra o Capitão Gancho. A certa altura ele vê que pode vencer facilmente, mas, percebendo que o inimigo está num plano mais baixo, estende-lhe a mão e o ajuda a subir. Qual a reação de Gancho? Dá uma mordida em Peter Pan.
Peter se espanta, se horroriza, fica sem ação. Não pela dor, mas pela deslealdade, pela injustiça. “Toda criança reage dessa forma na primeira vez em que recebe um tratamento injusto”, escreve o narrador. “Tudo o que ela se acha no direito de encontrar quando se aproxima de alguém é justiça. Poderá amar de novo uma pessoa que foi injusta com ela, porém nunca mais será a mesma criança. Ninguém se recupera da primeira injustiça – ninguém exceto Peter. Ele muitas vezes a encontrou, mas sempre a esqueceu. Acho que isso era o que verdadeiramente o diferenciava do resto do mundo”.
Peter Pan pode ser espertíssimo ao combater piratas, mas tem um coração ingênuo. Tudo para ele tem a intensidade de uma primeira vez. Ele é mesmo uma criança, e, sendo criança, está sempre descobrindo que o mundo é uma novidade.
Peter Pan e Wendy surgiu como peça de teatro. Em 1930 J. M. Barrie doou os direitos autorais do livro a um hospital infantil de Londres. Em 1987, cinqüenta anos após a morte do autor, esses direitos expiraram, mas o Parlamento inglês abriu uma exceção e determinou que o hospital continuaria a recebê-los enquanto existisse.

Peter Pan e Wendy - James Matthew BarrieApresentado aqui em versão integral, Peter Pan e Wendy é um dos grandes clássicos da infância. A história circula no Brasil sobretudo como desenho animado ou em edições simplificadas. O encanto não se perde, é verdade, mas é preciso conhecer o texto de J. M. Barrie para testemunhar a alta qualidade literária da obra.
A figura de Peter Pan é o melhor exemplo da densidade psicológica surpreendente que o autor infunde a seus personagens. Peter, como se sabe, é o menino que se recusa a crescer. Tudo o que deseja na vida é ser exatamente o que já é: criança. Outra característica sua é que ele esquece as coisas. Está sempre se metendo em mil aventuras e no minuto seguinte já não se lembra delas. É tão desmemoriado que chega a esquecer quem é Wendy. De Sininho, então, nem se fala.
A falta de memória ajuda Peter Pan a não crescer. Se ele não se lembra do que já viveu, fica com a impressão de que mesmo as coisas repetidas estão acontecendo pela primeira vez. É por isso que às vezes as alegrias e as tristezas dele são tão fortes. É o que acontece, por exemplo, numa de suas lutas contra o Capitão Gancho. A certa altura ele vê que pode vencer facilmente, mas, percebendo que o inimigo está num plano mais baixo, estende-lhe a mão e o ajuda a subir. Qual a reação de Gancho? Dá uma mordida em Peter Pan.
Peter se espanta, se horroriza, fica sem ação. Não pela dor, mas pela deslealdade, pela injustiça. “Toda criança reage dessa forma na primeira vez em que recebe um tratamento injusto”, escreve o narrador. “Tudo o que ela se acha no direito de encontrar quando se aproxima de alguém é justiça. Poderá amar de novo uma pessoa que foi injusta com ela, porém nunca mais será a mesma criança. Ninguém se recupera da primeira injustiça – ninguém exceto Peter. Ele muitas vezes a encontrou, mas sempre a esqueceu. Acho que isso era o que verdadeiramente o diferenciava do resto do mundo”.
Peter Pan pode ser espertíssimo ao combater piratas, mas tem um coração ingênuo. Tudo para ele tem a intensidade de uma primeira vez. Ele é mesmo uma criança, e, sendo criança, está sempre descobrindo que o mundo é uma novidade.
Peter Pan e Wendy surgiu como peça de teatro. Em 1930 J. M. Barrie doou os direitos autorais do livro a um hospital infantil de Londres. Em 1987, cinquenta anos após a morte do autor, esses direitos expiraram, mas o Parlamento inglês abriu uma exceção e determinou que o hospital continuaria a recebê-los enquanto existisse.

 

1 comentário em “Peter Pan e Wendy – James Matthew BarrieAdicione o seu →

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *