Peixe-elétrico #01

Peixe-elétrico #01

“Nesta edição de Peixe-elétrico:

Os livros da minha vida – Ricardo Piglia
O autor organiza neste ensaio alguns aspectos de suas memórias a partir dos livros que teriam lhe marcado de forma bastante particular, sobretudo até a sua juventude. Lançando mão do sempre presente Emilio Renzi, o autor de “Respiração artificial” engenhosamente mostra que se há algo de sua vida que pode ser retomado, é a literatura. O texto de Piglia circulou durante a Feira do Livro de Guadalajara de 2014 e é uma amostra de sua produção mais recente. São textos memorialísticos, fragmentos de resenha, entradas de diários etc. Peixe-elétrico publica em primeira mão essa nova fase da obra de um dos principais escritores latino-americanos.

A arte de ler – de Juan Villoro
O texto comenta justamente a nova produção de Ricardo Piglia, observando como há ali uma espécie de ética de leitura. Para Villoro, Piglia está sintonizado com a ideia de Borges de que um livro tem a vida decidida por seus leitores e por isso seleciona momentos bastante delicados e radicais da arte de ler: homens encarcerados ou à beira da morte são alguns dos leitores que mais interessam a Ricardo Piglia. Haveria ainda na operação contemporânea do escritor argentino uma espécie de balanço de sua trajetória literária. Ler Piglia apresentado por Villoro nos parece um privilégio: são dois dos escritores mais livremente criativos da América Latina contemporânea.

A musa falida – Alcir Pécora
A famosa crise nos estudos de humanidades é discutida por Alcir Pécora na palestra que ele ofereceu aos alunos ingressantes na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra no início do ano letivo 2014-15. Mais do que apenas identificar fraturas ou apontar problemas, Pécora lança mão de um grupo de teóricos contemporâneos para fazer uma espécie de proposta de sobrevivência diante dos impasses que as humanidades no geral, e mais especificamente os estudos literários, enfrentam há alguns anos.

Repare nos peixes: se debatendo, se debatendo sobre a pedra fria – Matilde Campilho
Um dos nomes mais interessantes da nova poesia portuguesa, Campilho assina a primeira resenha da revista. Com a mesma sensibilidade de seus poemas, a autora analisa “Desalinho”, de Laura Liuzzi, associando-o a outras manifestações culturais e identificando as tendências de outra jovem artista.

O som ao redor (e a música que nos representa) – Leonardo Martinelli
O ensaio discute como as políticas públicas de divulgação internacional de nossa música erudita obedecem a uma visão de nação muito específica e que acabam deixando de lado diversas manifestações interessantes e representativas. É uma forma excludente e às vezes clichê de pensar o Brasil, muitas vezes para satisfazer a uma certa visão estrangeira já pré-concebida sobre nós. Junto com o texto de Alcir Pécora, Martinelli demonstra disposição para o debate franco, crítico e livre, além de deixar claro nosso interesse por todas as artes.

Mário de Andrade como ruína psicoetnográfica: o retrato de Flávio de Carvalho – Marcelo Moreschi
Professor da Unifesp, Moreschi escreve um longo texto sobre o retrato que Flávio de Carvalho pintou de Mário de Andrade, as leituras e repercussões da obra e, sobretudo, a maneira como um dos nossos líderes modernistas construiu aos poucos a própria imagem e tentou controlar a recepção de seu trabalho. O ensaio abre todo um debate sobre a tradição artística brasileira e pode gerar várias reflexões.

O globo da morte de tudo – Nuno Ramos e Eduardo Climachauska
O ensaio visual que ilustra esta edição é parte do registro da exposição “O globo da morte de tudo”. No caso desses dois artistas emblemáticos, a atitude de colocar tudo abaixo, serviu como motor para a produção de uma performance singular e perturbadora. Peixe-elétrico não podia estrear com imagens mais adequadas.

“Nesta edição de Peixe-elétrico:

Os livros da minha vida – Ricardo Piglia
O autor organiza neste ensaio alguns aspectos de suas memórias a partir dos livros que teriam lhe marcado de forma bastante particular, sobretudo até a sua juventude. Lançando mão do sempre presente Emilio Renzi, o autor de “Respiração artificial” engenhosamente mostra que se há algo de sua vida que pode ser retomado, é a literatura. O texto de Piglia circulou durante a Feira do Livro de Guadalajara de 2014 e é uma amostra de sua produção mais recente. São textos memorialísticos, fragmentos de resenha, entradas de diários etc. Peixe-elétrico publica em primeira mão essa nova fase da obra de um dos principais escritores latino-americanos.

A arte de ler – de Juan Villoro
O texto comenta justamente a nova produção de Ricardo Piglia, observando como há ali uma espécie de ética de leitura. Para Villoro, Piglia está sintonizado com a ideia de Borges de que um livro tem a vida decidida por seus leitores e por isso seleciona momentos bastante delicados e radicais da arte de ler: homens encarcerados ou à beira da morte são alguns dos leitores que mais interessam a Ricardo Piglia. Haveria ainda na operação contemporânea do escritor argentino uma espécie de balanço de sua trajetória literária. Ler Piglia apresentado por Villoro nos parece um privilégio: são dois dos escritores mais livremente criativos da América Latina contemporânea.

A musa falida – Alcir Pécora
A famosa crise nos estudos de humanidades é discutida por Alcir Pécora na palestra que ele ofereceu aos alunos ingressantes na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra no início do ano letivo 2014-15. Mais do que apenas identificar fraturas ou apontar problemas, Pécora lança mão de um grupo de teóricos contemporâneos para fazer uma espécie de proposta de sobrevivência diante dos impasses que as humanidades no geral, e mais especificamente os estudos literários, enfrentam há alguns anos.

Repare nos peixes: se debatendo, se debatendo sobre a pedra fria – Matilde Campilho
Um dos nomes mais interessantes da nova poesia portuguesa, Campilho assina a primeira resenha da revista. Com a mesma sensibilidade de seus poemas, a autora analisa “Desalinho”, de Laura Liuzzi, associando-o a outras manifestações culturais e identificando as tendências de outra jovem artista.

O som ao redor (e a música que nos representa) – Leonardo Martinelli
O ensaio discute como as políticas públicas de divulgação internacional de nossa música erudita obedecem a uma visão de nação muito específica e que acabam deixando de lado diversas manifestações interessantes e representativas. É uma forma excludente e às vezes clichê de pensar o Brasil, muitas vezes para satisfazer a uma certa visão estrangeira já pré-concebida sobre nós. Junto com o texto de Alcir Pécora, Martinelli demonstra disposição para o debate franco, crítico e livre, além de deixar claro nosso interesse por todas as artes.

Mário de Andrade como ruína psicoetnográfica: o retrato de Flávio de Carvalho – Marcelo Moreschi
Professor da Unifesp, Moreschi escreve um longo texto sobre o retrato que Flávio de Carvalho pintou de Mário de Andrade, as leituras e repercussões da obra e, sobretudo, a maneira como um dos nossos líderes modernistas construiu aos poucos a própria imagem e tentou controlar a recepção de seu trabalho. O ensaio abre todo um debate sobre a tradição artística brasileira e pode gerar várias reflexões.

O globo da morte de tudo – Nuno Ramos e Eduardo Climachauska
O ensaio visual que ilustra esta edição é parte do registro da exposição “O globo da morte de tudo”. No caso desses dois artistas emblemáticos, a atitude de colocar tudo abaixo, serviu como motor para a produção de uma performance singular e perturbadora. Peixe-elétrico não podia estrear com imagens mais adequadas.

1 comentário em “Peixe-elétrico #01Adicione o seu →

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *