Os Cristãos e a Queda de Roma – Edward Gibbon

Os Cristãos e a Queda de Roma – Edward Gibbon

Neste esclarecedor excerto de sua obra capital, Declínio e queda do Império Romano, o historiador inglês Edward Gibbon (1737-94) apresenta uma visão precursora sobre o cristianismo primitivo e sua disseminação do Oriente para o Ocidente a partir do século III d.C. A forte expansão dos seguidores de Cristo, antes reduzidos à periferia do império e perseguidos pelo Estado romano, possibilitou a formação de uma verdadeira confederação de repúblicas episcopais, que acabaria por conquistar o poder secular de Roma e extinguir o culto de deuses pagãos.
O famoso ensaio, que a coleção Grandes Ideias reapresenta em edição econômica, aponta, entre as causas do fortalecimento da Igreja cristã, a intolerância dos primeiros crentes com os deuses do antigo panteão, rejeição herdada dos judeus; a ferrenha esperança de outra vida após a morte; a grande publicidade dos prodígios e milagres operados pelo novo Deus; a moralidade estrita dos primeiros crentes; e, finalmente, a organização temporal cada vez mais sofisticada dos bispados e congregações.
Responsável por um empreendimento intelectual sem precedentes em sua época – o autor teve que lidar com os escassos dados históricos disponíveis -, Gibbon se valeu de grande erudição e do alto teor literário de sua prosa para fazer uma obra que é referência incontornável nos estudos sobre Roma e o início da Idade Média.

Os-Cristãos-e-a-Queda-de-Roma-Edward-GibbonNeste esclarecedor excerto de sua obra capital, Declínio e queda do Império Romano, o historiador inglês Edward Gibbon (1737-94) apresenta uma visão precursora sobre o cristianismo primitivo e sua disseminação do Oriente para o Ocidente a partir do século III d.C. A forte expansão dos seguidores de Cristo, antes reduzidos à periferia do império e perseguidos pelo Estado romano, possibilitou a formação de uma verdadeira confederação de repúblicas episcopais, que acabaria por conquistar o poder secular de Roma e extinguir o culto de deuses pagãos.
O famoso ensaio, que a coleção Grandes Ideias reapresenta em edição econômica, aponta, entre as causas do fortalecimento da Igreja cristã, a intolerância dos primeiros crentes com os deuses do antigo panteão, rejeição herdada dos judeus; a ferrenha esperança de outra vida após a morte; a grande publicidade dos prodígios e milagres operados pelo novo Deus; a moralidade estrita dos primeiros crentes; e, finalmente, a organização temporal cada vez mais sofisticada dos bispados e congregações.
Responsável por um empreendimento intelectual sem precedentes em sua época – o autor teve que lidar com os escassos dados históricos disponíveis -, Gibbon se valeu de grande erudição e do alto teor literário de sua prosa para fazer uma obra que é referência incontornável nos estudos sobre Roma e o início da Idade Média.