O último império: os últimos dias da União Soviética – Serhii Plokhy

O último império: os últimos dias da União Soviética – Serhii Plokhy

No Natal de 1991, o presidente norte-americano George H. W. Bush discursou para a nação a fim de declarar a vitória dos Estados Unidos na Guerra Fria. No mesmo dia, Mikhail Gorbatchov havia renunciado a seu posto de primeiro e último presidente soviético. A consagração dessa narrativa, em que o fim da Guerra Fria estava ligado à desintegração da União Soviética e ao triunfo dos valores capitalistas sobre o comunismo, protagonizou a opinião pública norte-americana e persiste desde então, com consequências desastrosas para a situação dos Estados Unidos no mundo. O premiado historiador Serhii Plokhy revela neste livro que o colapso da União Soviética foi tudo menos obra dos Estados Unidos. Valendo-se de documentos recém-revelados e de entrevistas originais com os principais envolvidos, Plokhy apresenta uma interpretação nova e ousada dos últimos meses da União Soviética e argumenta que a chave do colapso foi a incapacidade de as duas maiores repúblicas soviéticas, a Rússia e a Ucrânia, concordarem quanto à continuidade da existência de um Estado unificado. Ao atribuir o colapso soviético ao impacto das ações norte-americanas, os dirigentes políticos estadunidenses superestimaram sua capacidade de derrubar e reconstruir regimes estrangeiros. O papel decisivo dos Estados Unidos no desaparecimento da União Soviética não só é um mito como uma crença descabida que tem orientado – e perseguido – a política externa norte-americana desde então.

No Natal de 1991, o presidente norte-americano George H. W. Bush discursou para a nação a fim de declarar a vitória dos Estados Unidos na Guerra Fria. No mesmo dia, Mikhail Gorbatchov havia renunciado a seu posto de primeiro e último presidente soviético. A consagração dessa narrativa, em que o fim da Guerra Fria estava ligado à desintegração da União Soviética e ao triunfo dos valores capitalistas sobre o comunismo, protagonizou a opinião pública norte-americana e persiste desde então, com consequências desastrosas para a situação dos Estados Unidos no mundo. O premiado historiador Serhii Plokhy revela neste livro que o colapso da União Soviética foi tudo menos obra dos Estados Unidos. Valendo-se de documentos recém-revelados e de entrevistas originais com os principais envolvidos, Plokhy apresenta uma interpretação nova e ousada dos últimos meses da União Soviética e argumenta que a chave do colapso foi a incapacidade de as duas maiores repúblicas soviéticas, a Rússia e a Ucrânia, concordarem quanto à continuidade da existência de um Estado unificado. Ao atribuir o colapso soviético ao impacto das ações norte-americanas, os dirigentes políticos estadunidenses superestimaram sua capacidade de derrubar e reconstruir regimes estrangeiros. O papel decisivo dos Estados Unidos no desaparecimento da União Soviética não só é um mito como uma crença descabida que tem orientado – e perseguido – a política externa norte-americana desde então.

1 comentário em “O último império: os últimos dias da União Soviética – Serhii PlokhyAdicione o seu →

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *