O Teatro de Sabbath – Philip Roth

O Teatro de Sabbath – Philip Roth

A sessenta anos do Trópico de câncer, de Henry Miller, e a quase trinta do Complexo de Portnoy, do próprio Roth, não é nada fácil quebrar recordes de obscenidade. Comparada a O teatro de Sabbath, a literatura erótica ainda precisa aprender muita coisa. Virtuosístico e desbragado, este romance de Phillip Roth apresenta ao leitor o sexagenário Mickey Sabbath, artista de fantoches aposentado. Entre o sexo e a morte, Sabbath vai resistindo a tudo o que no mundo apaga nossa incandescência. E Phillip Roth, no auge de sua carreira, realiza uma façanha de virtuosismo erótico e dramático. Entre as perguntas que o livro sugere está descobrir até que ponto é possível escrever o sexo. O erótico e o humano se confundem, de modo comovente, neste romance que fala ainda mais quando não há o que falar.

A sessenta anos do Trópico de câncer, de Henry Miller, e a quase trinta do Complexo de Portnoy, do próprio Roth, não é nada fácil quebrar recordes de obscenidade. Comparada a O teatro de Sabbath, a literatura erótica ainda precisa aprender muita coisa. Virtuosístico e desbragado, este romance de Phillip Roth apresenta ao leitor o sexagenário Mickey Sabbath, artista de fantoches aposentado. Entre o sexo e a morte, Sabbath vai resistindo a tudo o que no mundo apaga nossa incandescência. E Phillip Roth, no auge de sua carreira, realiza uma façanha de virtuosismo erótico e dramático. Entre as perguntas que o livro sugere está descobrir até que ponto é possível escrever o sexo. O erótico e o humano se confundem, de modo comovente, neste romance que fala ainda mais quando não há o que falar.