O Óbvio Ululante – Nelson Rodrigues

O Óbvio Ululante – Nelson Rodrigues

As passeatas, o “Poder jovem”, a esquerda festiva, os festivais da canção, a agressão ao elenco de Roda viva, a pregação da violência, o Vietnã, Sartre, Mao Tsé-Tung, d. Hélder – eis aqui, em O óbvio ululante, um fabuloso painel de 1968 pela ótica única de Nelson Rodrigues. O óbvio ululante é uma seleção de suas “Confissões”, crônicas publicadas no jornal O Globo naquele ano. Dia após dia, escrevendo na redação, ao som das ruas, Nelson descreveu o que parecia ser uma tentativa de virar o mundo de pernas para o ar – e sintetizou tudo aquilo numa prosa que, hoje, espanta pela coragem, pelo deboche e pela perenidade de suas observações.

As passeatas, o “Poder jovem”, a esquerda festiva, os festivais da canção, a agressão ao elenco de Roda viva, a pregação da violência, o Vietnã, Sartre, Mao Tsé-Tung, d. Hélder – eis aqui, em O óbvio ululante, um fabuloso painel de 1968 pela ótica única de Nelson Rodrigues. O óbvio ululante é uma seleção de suas “Confissões”, crônicas publicadas no jornal O Globo naquele ano. Dia após dia, escrevendo na redação, ao som das ruas, Nelson descreveu o que parecia ser uma tentativa de virar o mundo de pernas para o ar – e sintetizou tudo aquilo numa prosa que, hoje, espanta pela coragem, pelo deboche e pela perenidade de suas observações.

Sobre o autor

Nelson Falcão Rodrigues (Recife, 23 de agosto de 1912 — Rio de Janeiro, 21 de dezembro de 1980) foi um jornalista e escritor brasileiro, e tido como o mais influente dramaturgo do Brasil. Nascido no Recife, Pernambuco, mudou-se em 1916 para a cidade do Rio de Janeiro. Quando maior, trabalhou no jornal A Manhã, de propriedade de seu pai.

Foi repórter policial durante longos anos, de onde acumulou uma vasta experiência para escrever suas peças a respeito da sociedade. Sua primeira peça foi A Mulher sem Pecado, que lhe deu os primeiros sinais de prestígio dentro do cenário teatral. O sucesso mesmo veio com Vestido de Noiva, que trazia, em matéria de teatro, uma renovação nunca vista nos palcos brasileiros. Com seus três planos simultâneos (realidade, memória e alucinação construíam a história da protagonista Alaíde), as inovações estéticas da peça iniciaram o processo de modernização do teatro brasileiro.

A consagração se seguiria com vários outros sucessos, transformando-o no grande representante da literatura teatral do seu tempo, apesar de suas peças serem tachadas muitas vezes como obscenas e imorais. Em 1962, começou a escrever crônicas esportivas, deixando transparecer toda a sua paixão por futebol. Veio a falecer em 1980, no Rio de Janeiro.

1 comentário em “O Óbvio Ululante – Nelson RodriguesAdicione o seu →

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *