O mistério do coelho pensante – Clarice Lispector

O mistério do coelho pensante – Clarice Lispector

“Esta história só serve para criança que simpatiza com coelho”, comenta Clarice Lispector logo nas primeiras linhas, como se fosse possível alguém não gostar desses pequenos roedores de cenoura. Ainda mais se ele for o Joãozinho, um coelhinho de pêlo branquinho muito especial que, com seu estilo caladão, surpreendeu a todos quando “cheirou” uma incrível idéia “tão boa quanto cenoura fresquinha”.

Como todo coelho, Joãozinho franzia o nariz muito depressa quando estava cheirando, ou melhor, pensando em algo importante. Num desses dias em que a barriga estava roncando uma idéia lhe surgiu à cabeça: fugir da casinhola de grade de ferro sempre que esquecessem a sua comida.

Na verdade, a fuga também seria uma boa oportunidade para Joãozinho saber como era a vida do lado de fora. Tinha muita vontade de curtir a natureza e fazer novas amizades. Enfim, dar umas coelhadas por aí. Foi então que ele franziu o nariz mais depressa para pensar. Franziu e franziu milhares de vezes até descobrir finalmente uma maneira de escapar.

A estratégia deu tão certo que Joãozinho nunca mais ficou sem cenouras. Só que esse coelhinho tomou gosto pela liberdade e, mesmo com comida em abundância em sua gaiola, farejava um jeito de escapar, deixando a garotada da vizinhança encasquetada, tentando descobrir como podia um coelho tão gordinho de tanto comer cenouras sair através de grades tão apertadas? Aí está um grande “mistério”… que, na opinião da autora, “só acaba quando a criança descobre outros mistérios”.

A história deste livro é uma encantadora homenagem de Clarice Lispector a dois coelhos que pertenceram a Paulo e Pedro, seus filhos. Além de O mistério do coelho pensante, a Rocco relançou os seguintes títulos infantis da autora: A vida íntima de Laura, A mulher que matou os peixes, Quase de verdade. Brevemente, será lançado o quinto livro infantil, Como nasceram as estrelas, e estará completa a coleção com reedição de toda a obra.

O mistério do coelho pensante - Clarice Lispector“Esta história só serve para criança que simpatiza com coelho”, comenta Clarice Lispector logo nas primeiras linhas, como se fosse possível alguém não gostar desses pequenos roedores de cenoura. Ainda mais se ele for o Joãozinho, um coelhinho de pêlo branquinho muito especial que, com seu estilo caladão, surpreendeu a todos quando “cheirou” uma incrível idéia “tão boa quanto cenoura fresquinha”.

Como todo coelho, Joãozinho franzia o nariz muito depressa quando estava cheirando, ou melhor, pensando em algo importante. Num desses dias em que a barriga estava roncando uma idéia lhe surgiu à cabeça: fugir da casinhola de grade de ferro sempre que esquecessem a sua comida.

Na verdade, a fuga também seria uma boa oportunidade para Joãozinho saber como era a vida do lado de fora. Tinha muita vontade de curtir a natureza e fazer novas amizades. Enfim, dar umas coelhadas por aí. Foi então que ele franziu o nariz mais depressa para pensar. Franziu e franziu milhares de vezes até descobrir finalmente uma maneira de escapar.

A estratégia deu tão certo que Joãozinho nunca mais ficou sem cenouras. Só que esse coelhinho tomou gosto pela liberdade e, mesmo com comida em abundância em sua gaiola, farejava um jeito de escapar, deixando a garotada da vizinhança encasquetada, tentando descobrir como podia um coelho tão gordinho de tanto comer cenouras sair através de grades tão apertadas? Aí está um grande “mistério”… que, na opinião da autora, “só acaba quando a criança descobre outros mistérios”.

A história deste livro é uma encantadora homenagem de Clarice Lispector a dois coelhos que pertenceram a Paulo e Pedro, seus filhos. Além de O mistério do coelho pensante, a Rocco relançou os seguintes títulos infantis da autora: A vida íntima de Laura, A mulher que matou os peixes, Quase de verdade. Brevemente, será lançado o quinto livro infantil, Como nasceram as estrelas, e estará completa a coleção com reedição de toda a obra.