O Mandarim – Eça de Queirós

O Mandarim – Eça de Queirós

Teodoro é um pobre funcionário público que suspira por uma vida melhor. Numa noite, ao ler um livro antigo, descobre uma lenda segundo a qual um simples toque de uma campainha, tocada a uma certa hora, mataria um homem muito rico, algures na China, e que tal gesto traria ao seu assassino fama e fortuna. A lenda torna-se real quando, ao acabar de ler tais palavras, lhe surge o Diabo em pessoa, oferecendo-lhe a campainha. A decisão de Teodoro acabará por atormentá-lo de tal maneira que o levará a embarcar numa viagem pelos confins da Ásia à procura das consequências dos seus atos e da sua própria redenção.

Publicado em 1880, este livro Queirosiano do género do Fantástico e Fantasia é uma obra quase inédita dentro do trabalho literário de Eça de Queirós; um escritor mais conhecido e popularizado pelos géneros do Realismo e do Naturalismo literário. Este género do Fantástico, hoje em dia muito popular, era considerado, no final do século XIX, como um género literário menor, pela maior dos escritores da época que se dividiam entre a defesa da literatura como meios de defesa e inculcação de valores morais (os velhos escritores românticos) e os que defendiam a literatura como arma critica e denúncia dos males sociais (os jovens escritores do Realismo-Naturalismo).

Publicado em 1880, apenas dois anos depois de O Primo Basílio, cujo enredo tem a participação decisiva de uma figura declaradamente romântica: o Diabo.

O livro conta a história de Teodoro, que embora não lhe falte nada, tem uma vida sempre sem dinheiro. Um dia, descobre em um livro a Lenda do Mandarim, que consistia em tocar a campainha em uma certa hora de forma que um mandarim morresse, deixando toda a riqueza para quem tocasse a campainha. O Diabo instiga Teodoro a tocá-la e, de uma hora pra outra, tudo começa a mudar. Inicia-se uma vida de luxo e riquezas para Teodoro. Porém, o sentimento de culpa o assalta, principalmente quando começa a ter visões sobre o falecido mandarim e sobre sua família que agora passa dificuldades. Qual será a decisão de Teodoro para reverter tudo o que ele fez? Um romance leve, divertido, que vale a pena ser lido.

Acusado de afastar-se da estética realista em favor da pura fantasia, Eça de Queirós e seu texto foram alvos das mais severas críticas, e até mesmo aqueles que conseguiram perceber na obra uma crítica sócio-política, esbarraram nos demais “problemas” que o texto apresentava.

O Mandarim é um texto à parte no conjunto da obra “queirosiana” devido ao seu caráter fantasista e cômico, e que, exatamente em decorrência dessa característica, é considerado um texto “menor”, inferior, quando comparado às demais obras do escritor português.