O Malabarista – Arnaldo Jabor

O Malabarista – Arnaldo Jabor

O malabarista é dividido em duas partes. A primeira, “Infância”, mais poética, traz textos sobre o pai, a mãe, o avô, a iniciação sexual, o pecado, a classe média nos anos 50 e 60, as primeiras lembranças, a vida no subúrbio. A segunda, “E depois…”, marca a entrada na vida adulta, simbolizada pelo incêndio da UNE, logo após o golpe militar, quando termina a esperança de que o socialismo virá. É o fim da ilusão. Surgem os grandes temas: economia, corrupção, amor, violência, cultura. No livro, o autor lança sua ironia costumeira e seu olhar cinematográfico para uma variada galeria de tipos. Há o menino que equilibra bolas de tênis no sinal e provoca uma mescla de sensações, como incômodo, culpa, impotência, compaixão, irritação e desesperança. Há também o dono da clínica onde morreram dezenas de pacientes, autor de máximas como “miséria é mercado” e “quem não mata não vive”. E há ainda o mendigo de quem se esperam filosofias de vida e só se ouvem resmungos sem sentido, frases cifradas e risos debochados. O malabarista mistura denúncias de mazelas sociais, análises políticas, confissões sexuais, memórias de infância e lembranças afetivas. Jabor consegue focalizar da base ao topo da pirâmide, traçando um painel variado do país, do mundo e dos sentimentos humanos.

O malabarista é dividido em duas partes. A primeira, “Infância”, mais poética, traz textos sobre o pai, a mãe, o avô, a iniciação sexual, o pecado, a classe média nos anos 50 e 60, as primeiras lembranças, a vida no subúrbio. A segunda, “E depois…”, marca a entrada na vida adulta, simbolizada pelo incêndio da UNE, logo após o golpe militar, quando termina a esperança de que o socialismo virá. É o fim da ilusão. Surgem os grandes temas: economia, corrupção, amor, violência, cultura. No livro, o autor lança sua ironia costumeira e seu olhar cinematográfico para uma variada galeria de tipos. Há o menino que equilibra bolas de tênis no sinal e provoca uma mescla de sensações, como incômodo, culpa, impotência, compaixão, irritação e desesperança. Há também o dono da clínica onde morreram dezenas de pacientes, autor de máximas como “miséria é mercado” e “quem não mata não vive”. E há ainda o mendigo de quem se esperam filosofias de vida e só se ouvem resmungos sem sentido, frases cifradas e risos debochados. O malabarista mistura denúncias de mazelas sociais, análises políticas, confissões sexuais, memórias de infância e lembranças afetivas. Jabor consegue focalizar da base ao topo da pirâmide, traçando um painel variado do país, do mundo e dos sentimentos humanos.

2 comentários em “O Malabarista – Arnaldo JaborAdicione o seu →

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *