O livro negro – Orhan Pamuk

O livro negro – Orhan Pamuk

O livro negro tem como ponto de partida uma trama aparentemente policial: Rüya, esposa e prima do jovem advogado Galip, desaparece de casa sem motivo, deixando apenas um ambíguo bilhete de despedida. Começa então para Galip uma busca desesperada pelas ruas de Istambul para descobrir seu paradeiro.
Essa procura é entremeada, ao longo do romance, às crônicas diárias do célebre jornalista Celâl Salik, meio-irmão de Rüya e primo de Galip, publicadas pelo jornal Milliyet. Celâl, que vive se escondendo para evitar ser localizado, escreve sobre os mais variados temas, que vão de política, estrelas de cinema e gângsteres turcos a reminiscências familiares, poetas sufis, o caminho da iluminação e o amor, passando por profundas discussões sobre o hurufismo, uma obscura seita do século XIV que acreditava ser possível encontrar a origem de nossas vidas em letras escritas por Alá em nossos rostos.
Obra labiríntica, qual uma caixa de histórias dentro de histórias, O livro negro fala de uma busca, de uma cidade e de memórias. Mas, acima de tudo, versa sobre a única coisa que, para o autor, consegue ser superior a todos os outros temas: a literatura.

O livro negro tem como ponto de partida uma trama aparentemente policial: Rüya, esposa e prima do jovem advogado Galip, desaparece de casa sem motivo, deixando apenas um ambíguo bilhete de despedida. Começa então para Galip uma busca desesperada pelas ruas de Istambul para descobrir seu paradeiro.
Essa procura é entremeada, ao longo do romance, às crônicas diárias do célebre jornalista Celâl Salik, meio-irmão de Rüya e primo de Galip, publicadas pelo jornal Milliyet. Celâl, que vive se escondendo para evitar ser localizado, escreve sobre os mais variados temas, que vão de política, estrelas de cinema e gângsteres turcos a reminiscências familiares, poetas sufis, o caminho da iluminação e o amor, passando por profundas discussões sobre o hurufismo, uma obscura seita do século XIV que acreditava ser possível encontrar a origem de nossas vidas em letras escritas por Alá em nossos rostos.
Obra labiríntica, qual uma caixa de histórias dentro de histórias, O livro negro fala de uma busca, de uma cidade e de memórias. Mas, acima de tudo, versa sobre a única coisa que, para o autor, consegue ser superior a todos os outros temas: a literatura.

1 comentário em “O livro negro – Orhan PamukAdicione o seu →

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *