O Despertar dos Mágicos – Louis Pauwels, Jacques Bergier

O Despertar dos Mágicos – Louis Pauwels, Jacques Bergier

Um clássico incontornável do gênero, nasceu da partilha de ideias dos seus autores acerca dos mistérios da vida. Sucesso de vendas imediato, foi traduzido para inúmeras línguas e tornou-se um obra extremamente popular, que influenciou muitas outras posteriores. Pauwels e Bergier discutem o oculto, nas suas inúmeras manifestações, e o lugar do ser humano no universo.

Estamos diante de uma obra singular. Manifesto, tratado, obra esotérica, história, ficção científica, narrativa romanesca, coletânea de curiosidades, “O despertar dos mágicos” pode ser todas essas coisas mas não se encaixa em nenhuma. É uma defesa de uma estranha maneira de encarar o mundo: o realismo fantástico. Não confundir com o realismo mágico, gênero literário criado por escritores modernos sul-americanos como Jorge Luis Borges e Gabriel García Márquez, embora não deixe de haver alguma conexão.

O realismo fantástico, segundo os autores do livro, é a disposição de investigar o mundo sem os “preconceitos” ditados pelo “cientificismo” e o “intelectualismo” da era moderna. Nas palavras de Louis Pauwels: “Há superstições antigas e modernas. Para certas pessoas, nenhum fenômeno de civilização é compreensível se não admitirmos, nas origens, a existência da Atlântida. Para outros, o marxismo chega para explicar Hitler”.

Em “O despertar dos mágicos”, a Alquimia é levada a sério, e os resultados dos alquimistas, como transformar chumbo em ouro, podiam ser antecipações ainda mais sofisticadas das transformações nucleares da Física Moderna. A História é revista, podendo ser o produto de uma guerra entre sociedades secretas, regidas pelos “Superiores Desconhecidos”.

Hitler e o nazismo seriam uma tentativa de uma sociedade mística prevalecer sobre outra tecnocrática. Contando assim, parece piada; mas os autores levam a cabo seus argumentos com elegância, profundidade e erudição, amparados num monumental trabalho de pesquisa. Uma leitura instigante que, no mínimo, poderá abrir alguns horizontes.

Um clássico incontornável do gênero, nasceu da partilha de ideias dos seus autores acerca dos mistérios da vida. Sucesso de vendas imediato, foi traduzido para inúmeras línguas e tornou-se um obra extremamente popular, que influenciou muitas outras posteriores. Pauwels e Bergier discutem o oculto, nas suas inúmeras manifestações, e o lugar do ser humano no universo.
 
Estamos diante de uma obra singular. Manifesto, tratado, obra esotérica, história, ficção científica, narrativa romanesca, coletânea de curiosidades, “O despertar dos mágicos” pode ser todas essas coisas mas não se encaixa em nenhuma. É uma defesa de uma estranha maneira de encarar o mundo: o realismo fantástico. Não confundir com o realismo mágico, gênero literário criado por escritores modernos sul-americanos como Jorge Luis Borges e Gabriel García Márquez, embora não deixe de haver alguma conexão.
 
O realismo fantástico, segundo os autores do livro, é a disposição de investigar o mundo sem os “preconceitos” ditados pelo “cientificismo” e o “intelectualismo” da era moderna. Nas palavras de Louis Pauwels: “Há superstições antigas e modernas. Para certas pessoas, nenhum fenômeno de civilização é compreensível se não admitirmos, nas origens, a existência da Atlântida. Para outros, o marxismo chega para explicar Hitler”.
 
Em “O despertar dos mágicos”, a Alquimia é levada a sério, e os resultados dos alquimistas, como transformar chumbo em ouro, podiam ser antecipações ainda mais sofisticadas das transformações nucleares da Física Moderna. A História é revista, podendo ser o produto de uma guerra entre sociedades secretas, regidas pelos “Superiores Desconhecidos”.
 
Hitler e o nazismo seriam uma tentativa de uma sociedade mística prevalecer sobre outra tecnocrática. Contando assim, parece piada; mas os autores levam a cabo seus argumentos com elegância, profundidade e erudição, amparados num monumental trabalho de pesquisa. Uma leitura instigante que, no mínimo, poderá abrir alguns horizontes.