O Azul da Virgem – Tracy Chevalier

O Azul da Virgem – Tracy Chevalier

Aclamado livro de estréia de Tracy Chevalier. Ao narrar a história de duas mulheres que viveram a séculos de distância e a herança ancestral que as une, Chevalier, assim como em seu livro mais famoso, combina história, arte e imaginação de forma única. Naquele dia, os cabelos de Isabelle mudaram de cor com a mesma rapidez que um pássaro troca a plumagem para atrair a companheira. Após receber uma estátua da Virgem, o nicho sobre a porta da Igreja em que será colocada a imagem é pintado de um azul tão intenso quanto o céu da tarde. Os raios solares iluminam o azul com veemência, tocando os cabelos da jovem Isabelle e tingindo-os de um cobre que permaneceria mesmo depois de o sol ter ido embora. A partir de então, a menina passa a ser conhecida por La Rousse (A Ruiva) e precisa esconder as longas mechas vermelhas sob uma touca – envergonhada por aquele traço que aponta uma inusitada ligação com a Virgem Maria e a faz ser considerada suja, contaminada, uma feiticeira.

Quase cinco séculos depois, Ella Turner, uma mulher independente de 28 anos, sai dos Estados Unidos e vai morar na França com o marido Rick. Lá começa a ter aulas de francês, perde o otimismo, tenta engravidar e procura uma solução para não continuar a se sentir uma estranha no novo país. Começa então a ser acometida por pesadelos inexplicáveis, repletos de versos franceses dos quais desconhece a origem, tingidos de um azul vívido, ao mesmo tempo claro e escuro. Ella então recebe uma carta de Jacob Tournier, seu primo da Suíça, revelando um pouco sobre os antepassados franceses que haviam imigrado para os Estados Unidos no século XIX. Decidida a aprofundar os conhecimentos sobre a própria família, Ella passa a pesquisar livros e documentos antigos. Com a ajuda do bibliotecário Jean Paul, fará muitas descobertas – ela pertence à família dos Tournier dos tempos de Calvino, e as frases que ouve em seus sonhos são do texto bíblico que os seus antepassados huguenotes costumavam recitar quando algo ruim acontecia. À medida que o passado vai sendo revelado, o cabelo de Ella vai ficando ruivo como o de Isabelle. Quais as ligações entre essas duas mulheres? O que esses sonhos significam? Ella parte então em busca de respostas e resolve conhecer mais sobre a própria família… quem sabe assim desvendando os mistérios por trás de seus pesadelos tingidos com ‘O azul da virgem’.

O-Azul-da-Virgem-Tracy-ChevalierAclamado livro de estréia de Tracy Chevalier. Ao narrar a história de duas mulheres que viveram a séculos de distância e a herança ancestral que as une, Chevalier, assim como em seu livro mais famoso, combina história, arte e imaginação de forma única. Naquele dia, os cabelos de Isabelle mudaram de cor com a mesma rapidez que um pássaro troca a plumagem para atrair a companheira. Após receber uma estátua da Virgem, o nicho sobre a porta da Igreja em que será colocada a imagem é pintado de um azul tão intenso quanto o céu da tarde. Os raios solares iluminam o azul com veemência, tocando os cabelos da jovem Isabelle e tingindo-os de um cobre que permaneceria mesmo depois de o sol ter ido embora. A partir de então, a menina passa a ser conhecida por La Rousse (A Ruiva) e precisa esconder as longas mechas vermelhas sob uma touca – envergonhada por aquele traço que aponta uma inusitada ligação com a Virgem Maria e a faz ser considerada suja, contaminada, uma feiticeira.

Quase cinco séculos depois, Ella Turner, uma mulher independente de 28 anos, sai dos Estados Unidos e vai morar na França com o marido Rick. Lá começa a ter aulas de francês, perde o otimismo, tenta engravidar e procura uma solução para não continuar a se sentir uma estranha no novo país. Começa então a ser acometida por pesadelos inexplicáveis, repletos de versos franceses dos quais desconhece a origem, tingidos de um azul vívido, ao mesmo tempo claro e escuro. Ella então recebe uma carta de Jacob Tournier, seu primo da Suíça, revelando um pouco sobre os antepassados franceses que haviam imigrado para os Estados Unidos no século XIX. Decidida a aprofundar os conhecimentos sobre a própria família, Ella passa a pesquisar livros e documentos antigos. Com a ajuda do bibliotecário Jean Paul, fará muitas descobertas – ela pertence à família dos Tournier dos tempos de Calvino, e as frases que ouve em seus sonhos são do texto bíblico que os seus antepassados huguenotes costumavam recitar quando algo ruim acontecia. À medida que o passado vai sendo revelado, o cabelo de Ella vai ficando ruivo como o de Isabelle. Quais as ligações entre essas duas mulheres? O que esses sonhos significam? Ella parte então em busca de respostas e resolve conhecer mais sobre a própria família… quem sabe assim desvendando os mistérios por trás de seus pesadelos tingidos com ‘O azul da virgem’.

1 comentário em “O Azul da Virgem – Tracy ChevalierAdicione o seu →

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *