Não Temerei o Mal – Robert A. Heinlein

Não Temerei o Mal – Robert A. Heinlein

Numa Terra devastada por um desastre atômico – um mundo de poucos habitantes, mas que conservou algumas das suas conquistas tecnológicas – as grandes cidades americanas estão cheias de “áreas abandonadas”, regiões tão sombrias e perigosas onde ninguém se arrisca a entrar desarmado ou sem escolta. Os que vivem nas “zonas seguras” estão permanentemente vigilantes, para evitar sua ocupação pelos “de fora”.

Publicado EM 1970, Não Temerei o Mal é o primeiro romance de Robert A. Heinlein, após cinco anos de silêncio. Nele, o mestre da ficção científica americana, quatro vezes premiado com a estatueta Hugo, nos oferece um aterrador quadro do futuro, não tão improvável diante da loucura guerreira e armamentista de potências que querem fazer da Terra um mundo só, desde que seja sob seu domínio.

Numa Terra devastada por um desastre atômico – um mundo de poucos habitantes, mas que conservou algumas das suas conquistas tecnológicas – as grandes cidades americanas estão cheias de “áreas abandonadas”, regiões tão sombrias e perigosas onde ninguém se arrisca a entrar desarmado ou sem escolta. Os que vivem nas “zonas seguras” estão permanentemente vigilantes, para evitar sua ocupação pelos “de fora”.

Numa dessas “zonas seguras” jaz moribundo Johann Sebastian Bach Smith. Sem dúvida o mais rico e talvez o mais poderoso homem do mundo, já ultrapassou o ponto que a ciência médica pode fazer tudo, menos preservar uma centelha de vida no seu corpo seco. Mesmo os médicos mais caros são impotentes. Sua única esperança é um corpo novo, onde seu cérebro prodigioso possa continuar a exercer sua atividade. Um corpo é achado. É feita a operação. Esta, do ponto de vista médico, é um sucesso. Mas surgem consequências inesperadas, provocadas pela identidade do doador, e Smith vê-se a braços com um tremendo dilema moral e filosófico.

Não Temerei o mal é uma obra de ficção que reúne audácia imaginativa e beleza literária.

1 comentário em “Não Temerei o Mal – Robert A. HeinleinAdicione o seu →

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *