‘Não é fácil viver da venda dos livros’, conta escritora independente

‘Não é fácil viver da venda dos livros’, conta escritora independente

Eliana Neri explicou ao G1 como é ser uma autora independente.
Para ter reconhecimento, escritor da região apostou no mercado digital.

Eliana Neri explicou ao G1 como é ser uma autora independente.
Para ter reconhecimento, escritor da região apostou no mercado digital.

 

Publicado no G1*
“É muito difícil ser um escritor independente na região. Infelizmente, o mercado ainda não abre muito espaço por aqui”, disse Eliana Neri. Ela é de Barra Mansa (RJ) e há mais de dez anos dedica parte do seu tempo para escrever livros. Com três obras escritas (Contos de Lili, A Busca é uma Aventura e Day by Day) — dedicado ao público infantil e adulto, ela contou ao G1 os desafios da carreira.

“Sempre fui apaixonada por histórias. Resolvi escrever ainda na adolescência, quando colocava no papel as emoções que eu passava no dia a dia. Quando adulta, comecei a desenvolver mais essa vontade. Escrevi dois livros por conta própria e arquei com todo investimento. Mas tive que me dedicar a outra profissão por não conseguir viver só da venda dos meus livros”, explicou.

Apesar das dificuldades, Eliana não parou de produzir. Participou de forma independente de duas bienais do livro (2009 e 2010), e recentemente recebeu o convite para divulgar seu novo projeto na Festa Literária Internacional de Paraty (Flip).

“Vou lançar a primeira parte da minha trilogia ‘Day by Day’. A obra conta a história do meu tio-avô, que foi padre no século passado e teve um mistério em sua vida. Esse livro é o primeiro que eu consigo publicar através de uma editora. O convite para o lançamento em Paraty foi feito pela própria editora. Estou ansiosa para o evento, porque todo autor quer que seu trabalho caia no gosto popular”, revelou.

A ideia da escritora é não parar por aí. Eliana disse que já tem outros projetos escritos e espera que eles também sejam divulgados em breve.

“Estou fazendo contato com editoras para que eu possa divulgá-los. Mando meus trabalhos para eles e eles avaliam a qualidade dos textos e se há a possibilidade de publicar. O que dificulta é que infelizmente o mercado ainda é muito restrito. As editoras convencionais estão preocupadas em investir só em autores de retorno certo. Um principiante dificilmente encontra uma oportunidade. Mas quem quer seguir nessa carreira não deve desistir. É batendo de porta em porta que a gente encontra nosso espaço”, disse.

Uma nova aposta

Um processo parecido foi seguido pelo psicólogo e escritor de Volta Redonda, Tiago Cabral. Autor de três livos (Sarlack: O Grande Dragão Verde, Ancorner e Illuminatus) — obras de fantasia e romance —, ele sempre fez todo o trabalho de redação, edição e publicação de forma independente. Por encontrar muita dificuldade, resolveu apostar no mercado digital.

“De uns tempos pra cá, os livros de papel vem sendo substituídos por edições digitais, também conhecidas como e-books. Uma forma mais econômica e prática, que a cada dia vem conquistando novos leitores. Hoje trabalho dessa forma. Consegui divulgar minhas obras na maior loja de livros físicos e digitais do mundo e minha renda como escritor vem dessa venda, que na maioria das vezes supera a de uma editora física”, contou.

tiago_cabral


* Título com adaptações

 

1 comentário em “‘Não é fácil viver da venda dos livros’, conta escritora independenteAdicione o seu →

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *