Memórias de Um Gigolô – Marcos Rey

Memórias de Um Gigolô – Marcos Rey

Mariano, também chamado de Tumache e Mon Gigolo nos prostíbulos paulistanos dos anos 30, foi criado pela cartomante Antonieta. Mariano aprendeu com ela a ler a sorte num baralho sebento. Era ainda um menino quando sua protetora morreu. Foi então adotado por Madame Iara, uma de suas clientes, mulher elegante e muito bem relacionada. Dona de um bordel de primeira classe, freqüentado por figurões, Madame Iara leva o garoto para viver com ela e suas “sobrinhas”. Todas se encantam com ele e sua habilidade para redigir cartas. Rapidamente, Mariano vira “redator de bordéis”, sua primeira profissão, e passa a ser requisitadíssimo. Já começava a ganhar dinheiro e a se vestir bem quando a rotina do prostíbulo sofre uma reviravolta com a chegada de uma nova hóspede: a jovem e sedutora Lu, a Virgem de Guadalupe, por quem ele imediatamente se apaixona. Inicia-se aí sua longa e acidentada carreira de gigolô, que seria bem-sucedida até o aparecimento do inimigo cuja existência Madame Antonieta havia previsto na leitura do baralho: Esmeraldo, o Valete de Espadas, um proxeneta que usava sapatos de duas cores, colarinho engomado, gravata estreitinha e abotoaduras de ouro falso. Mariano, que abominava tais roupas – trajava ternos de tecido inglês – passa a lutar contra ele pelo coração de Lu.

O livro deu origem em 1970 ao filme brasileiro “Memórias de um gigolô”, dirigido por Alberto Pieralisi e em 1986 a minissérie de televisão “Memórias de um gigolô”, exibida pela TV Globo.

Mariano, também chamado de Tumache e Mon Gigolo nos prostíbulos paulistanos dos anos 30, foi criado pela cartomante Antonieta. Mariano aprendeu com ela a ler a sorte num baralho sebento. Era ainda um menino quando sua protetora morreu. Foi então adotado por Madame Iara, uma de suas clientes, mulher elegante e muito bem relacionada. Dona de um bordel de primeira classe, freqüentado por figurões, Madame Iara leva o garoto para viver com ela e suas “sobrinhas”. Todas se encantam com ele e sua habilidade para redigir cartas. Rapidamente, Mariano vira “redator de bordéis”, sua primeira profissão, e passa a ser requisitadíssimo. Já começava a ganhar dinheiro e a se vestir bem quando a rotina do prostíbulo sofre uma reviravolta com a chegada de uma nova hóspede: a jovem e sedutora Lu, a Virgem de Guadalupe, por quem ele imediatamente se apaixona. Inicia-se aí sua longa e acidentada carreira de gigolô, que seria bem-sucedida até o aparecimento do inimigo cuja existência Madame Antonieta havia previsto na leitura do baralho: Esmeraldo, o Valete de Espadas, um proxeneta que usava sapatos de duas cores, colarinho engomado, gravata estreitinha e abotoaduras de ouro falso. Mariano, que abominava tais roupas – trajava ternos de tecido inglês – passa a lutar contra ele pelo coração de Lu.

O livro deu origem em 1970 ao filme brasileiro “Memórias de um gigolô”, dirigido por Alberto Pieralisi e em 1986 a minissérie de televisão “Memórias de um gigolô”, exibida pela TV Globo.