Melhores Poemas – Lêdo Ivo

Melhores Poemas – Lêdo Ivo

Lêdo Ivo lançou o seu primeiro livro em um momento de intensa transformação da literatura brasileira, em meados da década de 1940, quando uma nova geração literária emergia e buscava se afirmar. Os novos de então, conhecidos como geração de 45 e neomodernistas, procuravam restabelecer o equilíbrio entre forma e fundo, “a revalorização da palavra, a criação de novas imagens, a revisão dos ritmos e a busca de novas soluções formais” (Tristão de Athayde), preservando as liberdades alcançadas pelo modernismo.
A crítica observou que As Imaginações (1944) e Ode e Elegia (1945) encarnavam esses novos rumos da poesia brasileira, inclusive em suas hesitações. Mas o poeta se distinguia pela capacidade emocional, uma sensibilidade romântica e uma espécie de alquimia verbal, um amplo domínio sobre as palavras e rara capacidade de reuni-las, extraindo delas efeitos novos, mágicos e surpreendentes.
A preferência pelo soneto (gênero em que o poeta escreveria centenas de poemas) se afirma a partir de Acontecimento do Soneto (1949), uma espécie de exercício de contenção, sem abdicar da linguagem luxuriante e da adjetivação inovadora.
Com o tempo, o poeta foi podando excessos, reduzindo os poemas a formas cada vez mais sintéticas, numa ação semelhante ao desgaste produzido pelo tempo, num esforço de extrair apenas o essencial dos fatos, mas sem renunciar ao permanente exercício do soneto e de outras formas poéticas de sua preferência. Aproxima-se da poesia oriental, em particular do haikai, como pode ser exemplificada em “Confissão do Mentiroso” (Nada tenho a dizer,/ e toda vez que escrevo/ digo o meu tudo) e “O Silêncio Divino”: (O silêncio. Deus fala/ pelos cotovelos ou é o grande mudo?). Sintético e moderno, como os poetas chineses, há 3 mil anos. A verdadeira poesia flutua acima dos tempos.

 Melhores Poemas – Lêdo Ivo Lêdo Ivo

Lêdo Ivo lançou o seu primeiro livro em um momento de intensa transformação da literatura brasileira, em meados da década de 1940, quando uma nova geração literária emergia e buscava se afirmar. Os novos de então, conhecidos como geração de 45 e neomodernistas, procuravam restabelecer o equilíbrio entre forma e fundo, “a revalorização da palavra, a criação de novas imagens, a revisão dos ritmos e a busca de novas soluções formais” (Tristão de Athayde), preservando as liberdades alcançadas pelo modernismo.
A crítica observou que As Imaginações (1944) e Ode e Elegia (1945) encarnavam esses novos rumos da poesia brasileira, inclusive em suas hesitações. Mas o poeta se distinguia pela capacidade emocional, uma sensibilidade romântica e uma espécie de alquimia verbal, um amplo domínio sobre as palavras e rara capacidade de reuni-las, extraindo delas efeitos novos, mágicos e surpreendentes.
A preferência pelo soneto (gênero em que o poeta escreveria centenas de poemas) se afirma a partir de Acontecimento do Soneto (1949), uma espécie de exercício de contenção, sem abdicar da linguagem luxuriante e da adjetivação inovadora.
Com o tempo, o poeta foi podando excessos, reduzindo os poemas a formas cada vez mais sintéticas, numa ação semelhante ao desgaste produzido pelo tempo, num esforço de extrair apenas o essencial dos fatos, mas sem renunciar ao permanente exercício do soneto e de outras formas poéticas de sua preferência. Aproxima-se da poesia oriental, em particular do haikai, como pode ser exemplificada em “Confissão do Mentiroso” (Nada tenho a dizer,/ e toda vez que escrevo/ digo o meu tudo) e “O Silêncio Divino”: (O silêncio. Deus fala/ pelos cotovelos ou é o grande mudo?). Sintético e moderno, como os poetas chineses, há 3 mil anos. A verdadeira poesia flutua acima dos tempos.

 Melhores Poemas – Lêdo Ivo Lêdo Ivo

1 comentário em “Melhores Poemas – Lêdo IvoAdicione o seu →

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *