Melhores Contos Herberto Sales – Herberto Sales, Judith Grossmann

Melhores Contos Herberto Sales – Herberto Sales, Judith Grossmann

Herberto Sales estreou em 1944, com Cascalho, um romance imenso e violento, ambientado na decadente região das lavras diamantíferas baianas. Com o sucesso do livro decidiu o autor a deixar o emprego na pequena cidade de Andaraí e tentar a vida no Rio de Janeiro. Curiosa a história do romance, enviado a um concurso no Rio de Janeiro, sem ser premiado. Desalentado, Herberto rasgou os originais em sua posse, julgando ter destruído a obra. Um dos jurados do concurso, porém, Aurélio Buarque de Holanda, havia guardado uma das cópias, interessado no abundante número de regionalismos, que serviu de base à edição do romance.
Depois de um longo hiato, no qual publicou dois livros de ensaio, Herberto voltou à ficção, sua vocação autêntica, com o romance Além dos Marimbus (1961). A partir daí, não parou mais.

O conto foi aventura da maturidade, quando o escritor (nascido em 1917) se achava em plena posse de seus recursos de expressão. As Histórias Ordinárias, lançadas em 1966, revelavam um excelente contador de histórias, desses que não fazem cerimônia para prender o leitor, envolvê-lo na atmosfera de seus contos, torná-lo cúmplice e/ ou testemunha da ação. Os temas variavam: um delicado mergulho na psicologia feminina, com alguma coisa de machadiano (“Os Vigilantes”), uma espécie de sátira às ambições do homem moderno, (“O Automóvel”), a análise de um momento de crise (“A Carta”).

Em 1970, Herberto Sales publicou dois volumes de contos, O Lobisomem, saborosas histórias fisgadas no folclore brasileiro, e Uma Telha de Menos, título significativo, síntese do espírito geral da obra, na qual todos os personagens são mais ou menos maníacos, presos a uma ideia fixa. Seu último volume de contos, Armado Cavaleiro o Audaz Motoqueiro (1980), apresenta a estranha fauna da sociedade moderna, quase sempre também com uma telha a menos.

Melhores Contos Herberto Sales – Herberto Sales, Judith GrossmannHerberto Sales estreou em 1944, com Cascalho, um romance imenso e violento, ambientado na decadente região das lavras diamantíferas baianas. Com o sucesso do livro decidiu o autor a deixar o emprego na pequena cidade de Andaraí e tentar a vida no Rio de Janeiro. Curiosa a história do romance, enviado a um concurso no Rio de Janeiro, sem ser premiado. Desalentado, Herberto rasgou os originais em sua posse, julgando ter destruído a obra. Um dos jurados do concurso, porém, Aurélio Buarque de Holanda, havia guardado uma das cópias, interessado no abundante número de regionalismos, que serviu de base à edição do romance.
Depois de um longo hiato, no qual publicou dois livros de ensaio, Herberto voltou à ficção, sua vocação autêntica, com o romance Além dos Marimbus (1961). A partir daí, não parou mais.

O conto foi aventura da maturidade, quando o escritor (nascido em 1917) se achava em plena posse de seus recursos de expressão. As Histórias Ordinárias, lançadas em 1966, revelavam um excelente contador de histórias, desses que não fazem cerimônia para prender o leitor, envolvê-lo na atmosfera de seus contos, torná-lo cúmplice e/ ou testemunha da ação. Os temas variavam: um delicado mergulho na psicologia feminina, com alguma coisa de machadiano (“Os Vigilantes”), uma espécie de sátira às ambições do homem moderno, (“O Automóvel”), a análise de um momento de crise (“A Carta”).

Em 1970, Herberto Sales publicou dois volumes de contos, O Lobisomem, saborosas histórias fisgadas no folclore brasileiro, e Uma Telha de Menos, título significativo, síntese do espírito geral da obra, na qual todos os personagens são mais ou menos maníacos, presos a uma ideia fixa. Seu último volume de contos, Armado Cavaleiro o Audaz Motoqueiro (1980), apresenta a estranha fauna da sociedade moderna, quase sempre também com uma telha a menos.

botao-download