Capa Vladimir Nabokov Lolita.indd

Lolita – Vladimir Nabokov

Irreverente e refinado, este é um dos romances mais célebres de todos os tempos. É também uma aventura intelectual que não deixa ninguém indiferente, um relato apaixonado de uma sensualidade alucinada, uma autópsia implacável do modo de vida americano. De um lado, um homem de meia-idade, obsessivo e cínico. De outro, uma garota de doze anos, perversamente ingênua. A química se faz e dá origem a uma obra-prima da literatura do nosso século. ‘Lolita’ é chocante, desafia tabus, escandaliza. O livro foi incorporado ao imaginário coletivo da modernidade, e até o nome da personagem tornou-se um substantivo corrente, provas do alcance e da genialidade do autor.

Irreverente e refinado, este é um dos romances mais célebres de todos os tempos. É também uma aventura intelectual que não deixa ninguém indiferente, um relato apaixonado de uma sensualidade alucinada, uma autópsia implacável do modo de vida americano. De um lado, um homem de meia-idade, obsessivo e cínico. De outro, uma garota de doze anos, perversamente ingênua. A química se faz e dá origem a uma obra-prima da literatura do nosso século. ‘Lolita’ é chocante, desafia tabus, escandaliza. O livro foi incorporado ao imaginário coletivo da modernidade, e até o nome da personagem tornou-se um substantivo corrente, provas do alcance e da genialidade do autor.

 

 

18 comentários em “Lolita – Vladimir NabokovAdicione o seu →

  1. li lolita do vladimir nabokov há coisa de um ano, não gostei particularmente do tipo de escrita, mas também não foi uma decepção total. o conteúdo fez-me umas mossas numa parte ou outra, o que me fez sentir que o livro estava a cumprir o seu papel. a uma determinada altura simpatizei com humbert e antipatizei fortemente com lolita, o que achei um feito genial de nabokov. fez do agressor a vítima e da vítima agressor e no final de contas não houve agressores nem vítimas. cataloguei-o como um clássico incontornável pelo seu papel e tom desafiador à época, bom, ainda hoje o é polémico, mas não pela sua qualidade excepcional. até que há meia dúzia de dias vi a versão mais recente da sua adaptação a cinema. e, atenção, não é caso inédito mas é caso raro. raríssimo! o filme, assinado por adrian lyne, não decepciona nem por um segundo. está muitíssimo bem conseguido e arrisco dizer que supera o livro. e esta proeza para mim, leitora e defensora acérrima que os filmes são sempre cadáveres dos livros que os inspiraram, confesso, que foi uma surpresa total. por isso, pessoas, é obrigatório assistir ao filme!'tá bom?

  2. falou tudo, Patricia, estilo da narrativa n é muito legal, mas a construcao dos personagens é realmente incrível, faz vc amá-los e odiá-los com facilidade.

  3. eu recomendo para vc, Patricia, o livro "A Luz e as Trevas" de Taylor Caldwell, é um dos meus Livros preferidos! a escrita n tem nada haver com a de nabokov, mas a capacidade q o autor tem de fazer vc amar e odiar os personagens é incrivel! Saludos!

  4. Desse livro eu particularmente não gostei muito, acho que antipatizei demais com Lolita desde o primeiro momento. Mesmo assim vale a leitura.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *