Kafka à Beira-Mar – Haruki Murakami

Kafka à Beira-Mar – Haruki Murakami

Haruki Murakami é o autor japonês mais popular de sua geração, com livros traduzidos em 34 idiomas. Assim como em Norwegian Wood, lançado no Japão em 1987 e 4 milhões de exemplares vendidos no país, os personagens de Kafka à beira-mar – que também é o nome de uma canção – vivem em um Japão completamente transformado pelo capitalismo e se sentem solitários, excluídos da sociedade moderna. “Sempre me interesso por pessoas que se põem à margem da sociedade, que se retiraram dela. A maioria dos personagens em Kafka à beira-mar está, de uma forma ou de outra, marginalizada. E Nakata, definitivamente, é uma dessas”, explica o autor.

Como os outros romances de Murakami, este também traz elementos fantásticos. A história conta com dois protagonistas: o adolescente Kafta Tamura, que foge da casa onde vive com o pai para encontrar a mãe e a irmã, e o deficiente mental Satoru Nakata, um homem de sessenta anos que tem a habilidade de falar com gatos. As duas histórias são contadas de forma paralela, alternando-se ao longo dos capítulos, até convergirem no final.

A vida de Kafka Tamura é narrada pelo próprio, que vive sozinho com o pai em Tóquio há mais de dez anos, desde que sua mãe saiu de casa, sem dizer uma palavra, levando sua irmã mais velha com ela. Kafka ainda era um menino quando ouviu seu pai lhe dizer: “Um dia você irá matar o seu pai e dormir com sua mãe.” É para fugir desse destino e evitar que as palavras de seu pai se tornem realidade que o menino, já adolescente, resolve fugir de casa e ir ao encontro da mãe.

Embora a jornada de Kafka seja imediatamente associada à tragédia grega, Haruki Murakami esclarece que o mito de Édipo é apenas um dos muitos temas, e não necessariamente o ponto central do romance: “Desde o início eu tinha a intenção de escrever sobre um rapaz de quinze anos que foge da casa de um pai sinistro e parte em busca da mãe. Essa história se conectava naturalmente ao mito de Édipo. Mas, ao que eu me lembre, não o tinha em mente ao começar. Mitos são os protótipos de todas as histórias. Quando escrevemos uma história criada por nós mesmos, é impossível que ela não tenha ligações com mitos de todos os tipos. Eles são como reservatórios que contêm todas as histórias possíveis.”

Uma das vozes mais talentosas da ficção contemporânea, Murakami costuma dizer que escrever se parece com sonhar: “E escrever um romance me permite sonhar acordado intencionalmente. Posso continuar hoje o sonho de ontem, o que normalmente não acontece na vida real. Portanto, embora seja sonho, não é fantasia. Para mim, o sonho é muito real.”

Haruki Murakami é o autor japonês mais popular de sua geração, com livros traduzidos em 34 idiomas. Assim como em Norwegian Wood, lançado no Japão em 1987 e 4 milhões de exemplares vendidos no país, os personagens de Kafka à beira-mar – que também é o nome de uma canção – vivem em um Japão completamente transformado pelo capitalismo e se sentem solitários, excluídos da sociedade moderna. “Sempre me interesso por pessoas que se põem à margem da sociedade, que se retiraram dela. A maioria dos personagens em Kafka à beira-mar está, de uma forma ou de outra, marginalizada. E Nakata, definitivamente, é uma dessas”, explica o autor.

Como os outros romances de Murakami, este também traz elementos fantásticos. A história conta com dois protagonistas: o adolescente Kafta Tamura, que foge da casa onde vive com o pai para encontrar a mãe e a irmã, e o deficiente mental Satoru Nakata, um homem de sessenta anos que tem a habilidade de falar com gatos. As duas histórias são contadas de forma paralela, alternando-se ao longo dos capítulos, até convergirem no final.

A vida de Kafka Tamura é narrada pelo próprio, que vive sozinho com o pai em Tóquio há mais de dez anos, desde que sua mãe saiu de casa, sem dizer uma palavra, levando sua irmã mais velha com ela. Kafka ainda era um menino quando ouviu seu pai lhe dizer: “Um dia você irá matar o seu pai e dormir com sua mãe.” É para fugir desse destino e evitar que as palavras de seu pai se tornem realidade que o menino, já adolescente, resolve fugir de casa e ir ao encontro da mãe.

Embora a jornada de Kafka seja imediatamente associada à tragédia grega, Haruki Murakami esclarece que o mito de Édipo é apenas um dos muitos temas, e não necessariamente o ponto central do romance: “Desde o início eu tinha a intenção de escrever sobre um rapaz de quinze anos que foge da casa de um pai sinistro e parte em busca da mãe. Essa história se conectava naturalmente ao mito de Édipo. Mas, ao que eu me lembre, não o tinha em mente ao começar. Mitos são os protótipos de todas as histórias. Quando escrevemos uma história criada por nós mesmos, é impossível que ela não tenha ligações com mitos de todos os tipos. Eles são como reservatórios que contêm todas as histórias possíveis.”

Uma das vozes mais talentosas da ficção contemporânea, Murakami costuma dizer que escrever se parece com sonhar: “E escrever um romance me permite sonhar acordado intencionalmente. Posso continuar hoje o sonho de ontem, o que normalmente não acontece na vida real. Portanto, embora seja sonho, não é fantasia. Para mim, o sonho é muito real.”