Já pensou em escrever um livro? Oportunidades facilitam publicações

Já pensou em escrever um livro? Oportunidades facilitam publicações

Ter um filho, plantar uma árvore, escrever um livro. Muitas vezes foi dito que essa é a receita para se ter uma vida completa. Em relação ao último conselho, o de escrever um livro, parece que hoje isso é mais fácil do que se imaginava. Plataformas de financiamento coletivo, custos mais baixos de impressão, e-books, entre outros, são os meios encontrados por quem quer imortalizar suas palavras em um volume publicado.

Uma busca no Google com os termos “publique seu livro” – se você usar aspas, o mecanismo de busca limita os resultados à frase, fica a dica – retornou “aproximadamente 459.000 resultados” em menos de um segundo. Ou seja, há muitas editoras dispostas a diagramar e imprimir seu texto, criar uma capa interessante e entregar tudo lindo para que você tente vendê-lo em livrarias ou para os amigos.

Até financiamento coletivo está entre as possibilidades para escritores

Thiago Andrade, no Correio do Estado

Ter um filho, plantar uma árvore, escrever um livro. Muitas vezes foi dito que essa é a receita para se ter uma vida completa. Em relação ao último conselho, o de escrever um livro, parece que hoje isso é mais fácil do que se imaginava. Plataformas de financiamento coletivo, custos mais baixos de impressão, e-books, entre outros, são os meios encontrados por quem quer imortalizar suas palavras em um volume publicado.

Uma busca no Google com os termos “publique seu livro” – se você usar aspas, o mecanismo de busca limita os resultados à frase, fica a dica – retornou “aproximadamente 459.000 resultados” em menos de um segundo. Ou seja, há muitas editoras dispostas a diagramar e imprimir seu texto, criar uma capa interessante e entregar tudo lindo para que você tente vendê-lo em livrarias ou para os amigos.

Os custos são bastante variáveis, mas de acordo com Valter Jeronymo, diretor da Life Editora, o mínimo para ter um livro publicado varia entre R$ 1,5 mil e R$ 2 mil para uma tiragem de 100 cópias. Esse valor inclui os custos de produção e os custos legais. “Ao contrário de editoras comerciais, os custos são bancados pelo autor. Ele pode escolher o papel, como quer a capa, a fonte”, explica o editor. Publicado pela editora, o livro será registrado na Biblioteca Nacional e receberá um Número Padrão Internacional do Livro (ISBN, de acordo com a sigla em inglês).

“A quantidade de clientes interessados em transformar trabalhos acadêmicos como monografias, TCC, dissertações ou teses em livro vem crescendo. Uma vez que o livro é publicado de acordo com todas as normas, ele pode usar isso para pontuar em concursos, sobretudo para professor”, explica Valter. Em 2015, a editora publicou apenas livros particulares. “Os editais costumavam garantir um grande volume, mas estamos em um momento que eles estão parados.”

Henrique Pimenta, professor de Português e Literatura, decidiu que para ter seu livro publicado seria necessário investir do próprio bolso. Assim, ele lançou “99 sonetos sacanas e 1 canção de amor” e agora se prepara para colocar à venda um novo trabalho: “Ele adora a desgraça azul”, um livro de contos. A edição está sendo preparada pela Editora Mondrongo, sediada em Itabuna, na Bahia.

“Pode-se dizer que as dificuldades em publicar dividem-se em duas categorias: todas e as principais”, comenta o escritor. As principais? “Acho que em primeiríssimo lugar é a essência, você ter um bom material, algo digno de ser dado a público. Haja suor! Depois, no meu caso, ter grana para investir num projeto sem retorno garantido”, ressalta. Pimenta relata já ter tido problemas na distribuição de seu livro anterior, o que pode desanimar quem está se lançando no mundo literário.

O novo livro, que ainda não foi lançado, está sendo preparado há três anos. “Agora me intrometi na área da narrativa, escrevendo um conjunto de 23 contos ambientados em Campo Grande e imediações, Coxim, uma cidade minúscula a caminho de Japorã, entre outras localidades sul-mato-grossenses”, explica. Os contos giram em torno de pessoas normais, “ou seja, gente estranha pra caramba, que não se importa em ser desagradável e repulsiva quando seu desejo assim determina”, pontua o autor, que considera o material com boa qualidade estética.

NOVAS OPÇÕES

O financiamento coletivo, também conhecido como crowdfunding, tornou-se uma opção para viabilizar projetos em diversas áreas. Na literatura, ele chegou com força e já dá frutos. Uma iniciativa tem crescido, por viabilizar lançamento de autores com potencial, mas que não foram reconhecidos por grandes casas editoriais do País. O Bookstart oferece, na internet, oportunidade para que o escritor lance seu livro sem grandes custos.

“É uma inversão da lógica do mercado. Nós oferecemos uma pré-venda para publicar o livro. Uma vez que o autor propôs seu projeto e ele é aprovado, damos um orçamento e uma campanha virtual é criada. Em 90 dias, se o valor for alcançado, começamos a produção do livro que inclui revisão, capa, impressão, etc.”, explica Bernardo Obadia, criador do projeto. Ao final, o autor recebe um livro impresso e um e-book. O material é comercializado dentro da plataforma, que conta com uma loja virtual. “Há, hoje, cerca de três a seis milhões de manuscritos engavetados no Brasil. Decidimos que o crivo do que deveria ou não ser publicado seria dado pelo leitor”, comenta.

Um dos autores que logo vai ter seu livro publicado pela empreitada é Christian Pissini, 38 anos. “O Enxadrista” conseguiu superar a meta de R$ 4,3 mil necessária para a publicação e será lançado em maio. “É um conto, com duas histórias paralelas. A vida inteira de uma pessoa será decidida em uma partida de xadrez jogada por dois desconhecidos”, explica o autor sobre o enredo. Trata-se do primeiro livro do escritor, que trabalha como contador e faz gestão financeira para uma empresa de agropecuária.

“A sensação de ter o livro publicado é ótima. Apesar da facilidade, ainda é caro lançar uma obra. Com esse projeto, a gente tenta reunir os possíveis compradores para financiar o material”, comenta o autor. A relação de Christian com a literatura surgiu em uma revista chamada Consciência. “Eu faço parte da maçonaria e comecei a contribuir com a revista. Depois de participar de um concurso literário, acabei ganhando. Isso me animou”, pontua. O autor aguarda a publicação.

BAIXO CUSTO

Em Dourados, Luciano Serafim e Fernanda Ebling tiveram uma ideia simples e prática. Para publicar seus livros, os autores criaram uma editora de livros artesanais. Assim surgiu o Arrebol Coletivo. As edições são feitas em casa, com uma impressora a laser. “Temos parceiros que contribuem com partes do livro. Um amigo faz a capa, outro ajuda na revisão. O autor contribui com os custos de impressão”, explica. O livro é lançado com ISBN e vale como publicação formal, mas pode ter no máximo 68 páginas. “É o que dá para grampear”, pontua.

A editora pretende lançar oito títulos em 2016. “Esse número pode crescer, depende de como será. Também estamos pensando na possibilidade de abrir espaço para autores de fora do Estado”, comenta Luciano. Para ser impresso, o livro precisa passar pelo crivo de cinco integrantes do coletivo. “Queremos publicar material de qualidade. A proposta é que o autor se orgulhe do material que lançou”, pontua.

NO PASSADO

Reginaldo Alves de Araújo criou, em 1989, a Associação de Novos Escritores. A instituição fazia às vezes de uma editora, que tinha como objetivo lançar livros de autores estreantes. “Foram mais de 20 anos de produção, conseguimos lançar quase 1,5 mil livros”, comenta Reginaldo.

“O escritor nos contatava para manifestar interesse em publicar um livro. Ele nos entregava os originais, depois de revisados e aprovados, fazíamos um orçamento”, conta. As edições eram lançadas com uma tiragem de 500 volumes.

1 comentário em “Já pensou em escrever um livro? Oportunidades facilitam publicaçõesAdicione o seu →

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *