Introdução à Pesquisa em Ciências Sociais – Augusto Nibaldo Silva Triviños

Introdução à Pesquisa em Ciências Sociais – Augusto Nibaldo Silva Triviños

Este livro destaca três correntes teóricas, o Positivismo, a Fenomenologia e o Marxismo, que, segundo o autor, têm predominado na realização da pesquisa em Ciências Sociais e, de maneira específica, na Educação e nos Cursos de Pós-graduação.

O texto apresenta uma caracterização simples dessas linhas de pensamento, salientando as derivações metodológicas e os resultados atingidos, seguindo uma ou outra tendência teórica. E enfatiza a necessidade de disciplina intelectual, isto é, a vinculação do pesquisador a uma concepção de vida, do homem e do mundo, base imprescindível de todo enfoque teórico. Ressalta também o autor que teorias e métodos não podem ser deslocados de países desenvolvidos para os povos do Terceiro Mundo, sem as devidas adaptações e transformações exigidas pelas suas próprias realidades. E salienta, ainda que existem teorias que podem servir melhor aos pesquisadores das nações subdesenvolvidas que desejam mudanças fundamentais nas formas de vida gerais destas regiões, e que isto não significa eliminar correntes importantes do pensamento, mas integrá-las dentro de uma concepção geral e ampla, às necessidades do próprio meio.

O texto apresenta, inicialmente, ideias básicas orientadoras que facilitam uma concepção do mundo, da vida e do homem. Em seguida coloca em relevo os traços fundamentais que distinguem o Positivismo, a Fenomenologia e o Marxismo. Apresenta ainda alguns tópicos considerados necessários a todo projeto de pesquisa e, finalmente, destaca a importância da denominada pesquisa qualitativa.

Introdução à Pesquisa em Ciências Sociais - Augusto Nibaldo Silva TriviñosEste livro destaca três correntes teóricas, o Positivismo, a Fenomenologia e o Marxismo, que, segundo o autor, têm predominado na realização da pesquisa em Ciências Sociais e, de maneira específica, na Educação e nos Cursos de Pós-graduação.
O texto apresenta uma caracterização simples dessas linhas de pensamento, salientando as derivações metodológicas e os resultados atingidos, seguindo uma ou outra tendência teórica. E enfatiza a necessidade de disciplina intelectual, isto é, a vinculação do pesquisador a uma concepção de vida, do homem e do mundo, base imprescindível de todo enfoque teórico. Ressalta também o autor que teorias e métodos não podem ser deslocados de países desenvolvidos para os povos do Terceiro Mundo, sem as devidas adaptações e transformações exigidas pelas suas próprias realidades. E salienta, ainda que existem teorias que podem servir melhor aos pesquisadores das nações subdesenvolvidas que desejam mudanças fundamentais nas formas de vida gerais destas regiões, e que isto não significa eliminar correntes importantes do pensamento, mas integrá-las dentro de uma concepção geral e ampla, às necessidades do próprio meio.
O texto apresenta, inicialmente, ideias básicas orientadoras que facilitam uma concepção do mundo, da vida e do homem. Em seguida coloca em relevo os traços fundamentais que distinguem o Positivismo, a Fenomenologia e o Marxismo. Apresenta ainda alguns tópicos considerados necessários a todo projeto de pesquisa e, finalmente, destaca a importância da denominada pesquisa qualitativa.