Imaginando o futuro, dramatizando nossos medos

Imaginando o futuro, dramatizando nossos medos

Apesar de vez ou outra aparecerem previsões acertadas por médiuns e videntes, desde que o mundo existe, o futuro permanece uma incógnita imprevisível.

Por mais cálculos estatísticos e tendências identificadas por especialistas que possam surgir, apenas os mais inspirados visionários conseguem vislumbrar um relance das tecnologias do futuro representadas na nossa cultura (com toda liberdade poética) através do gênero conhecido com ficção científica.

Apesar de vez ou outra aparecerem previsões acertadas por médiuns e videntes, desde que o mundo existe, o futuro permanece uma incógnita imprevisível.

Por mais cálculos estatísticos e tendências identificadas por especialistas que possam surgir, apenas os mais inspirados visionários conseguem vislumbrar um relance das tecnologias do futuro representadas na nossa cultura (com toda liberdade poética) através do gênero conhecido com ficção científica.


 

1726
Jonathan Swift – Gulliver’s Travels (As viagens de Gulliver) Academy of Lagado – satiriza inventores.

1818
Mary Shelley – Frankenstein (romance). Considerado por muitos como o primeiro romance de Ficção Científica

1872
Samuel Butler – Erewhon (romance) – utopia anti -tecnológica satírica

1888
Edward Bellamy – Looking Backwards (romance) – utopia popular, porém simplória, onde a sociedade é uma gigantesca fábrica

1890
William Morris – News From Nowhere (romance) – utopia pastoral

1893
Ambrose Bierce – Moxons Master (conto) – jogador artificial de xadrez mata seu inventor

1905
H. G. Wells – A Modern Utopia (romance) – visão otimista da dependência tecnológica

1909
E. M. Forster – The Machine Stops (conto). Primeira distopia tecnológica, com ênfase na dependência das máquinas

1920
Yevgeny Zamiatin – We (romance), (traduzido para o inglês em 1924) – visão distópica da sociedade, pessoas sendo tratadas como máquinas

1921
Karel Capek – R.U.R. [Rossums Universal Robots] (peça para o teatro) – criação dos robôs (andróides) que desenvolvem consciência, pessoas como máquinas.

1926
Hugo Gernsback funda a revista Amazing Stories
Fritz Lang – Metropolis (filme) – uma sociedade controlada, pessoas como máquinas

1930
Miles J. Breuer – Paradise and Iron (conto) – cérebro mecânico se torna um tirano, utopia tecnológica
Laurence Manning & Fletcher Pratt – City of the Living Dead (conto) – experiência de realidade simulada através de máquinas

1931
Frankenstein (filme) com Boris Karloff, difere do romance de 1818, mas estabelece a figura do cientista louco

1932
Aldous Huxley – Brave New World (romance, Admirável Mundo Novo) – distopia rejeitando o progresso tecnológco

1933
H. G. Wells – The Shape of Things to Come (romance). Romance utópico tecnológico (tornou -se filme em 1936)
J. Storer Clouston – Button Brains (romance) – identidade trocadas (robô/humano)

1934
Harl Vincent – Rex (conto) – O robô Rex domina o mundo, mas comete suicídio

1936
Modern Times (Tempos Modernos, filme) – Charlie Chaplin tentando adaptar-se à disciplina das máquinas

1937
John W. Campbell torna -se editor da revista Astounding (Stories of) Science Fiction

1939
The Son of Frankenstein (filme)

1940
Isaac Asimov – Robbie (conto) – robô salva a vida de uma criança

1941
Isaac Asimov – Reason (conto) – um robô começa a tornar -se curioso sobre sua própria existência

1942
As Três Leis da Robótica de Isaac Asimov –
1 – Um robô não pode ferir um ser humano ou, por inação, permitir que um ser humano sofra algum mal.
2 – Um robô deve obedecer às ordens dadas por seres humanos, exceto quando essas ordens entrarem em conflito com a Primeira Lei.
3 – Um robô deve proteger sua própria existência desde que tal não entre em conflito com a Primeira ou a Segunda Lei.

1943
Robert Bloch – It Happened Tomorrow (conto) – total dependência tecnológica

1944
Theodore Sturgeon – Killdozer (conto) – parábola sobre máquinas agindo independentes do controle humano

1945
Bombas atômicas usadas contra o Japão

1946
O primeiro computador – ENIAC
Isaac Asimov – Evidence (conto) – robôs que imitam seres humanos
Murray Leinster (sob o pseudônimo Will F. Jenkins) – A Logic Named Joe (conto) – total dependência tecnológica

1947
Isaac Asimov – Little Lost Robot (conto) – robôs carecem de humor
Jack Williamson – With Folded Hands (conto) – robôs utilizam de lobotomia para proteger seres humanos

1949
George Orwell – 1984 (romance) – distopia na qual a tecnologia é utilizada para repressão

1950
Isaac Asimov – The Evitable Conflict (conto) – visão otimista dos computadores governando o mundo
Clifford D. Simak – Skirmish (conto) – revolta das máquinas
Kurt Vonnegut – EPICAC (conto) – computadores poetas

1951
Primeiro computador comercial – UNIVAC
Isaac Asimov – The Fun They Had (conto) – professor mecânico
Isaac Asimov – Satisfaction Guaranteed (conto) – troca de identidades (robô/humano)
Lord Dunsany – The Last Revolution (romance) – revolução das máquinas
C. M. Kornbluth – With These Hands (conto) – escultor mecânico
A. E. van Vogt – Fulfilmeent (conto) – cérebro artificial adquire consciência e auto-determinação

1952
Walter Miller – Dumb Waiter (conto) – falhamos em entender e a controlar nossas máquinas
Kurt Vonnegut – Player Piano (romance) – visão distópica da automação

1953
Poul Anderson – Sam Hall (conto) – tecnologia utilizada pelo governo para nos vigiar
Ray Bradbury – Fahrenheit 451 (romance, filmado em 1966) – distopia na qual a tecnologia é utilizada para repressão
Arthur C. Clarke – The Nine Billion Names of God (conto) – o computador traz o fim
Philip K Dick – Second Variety (conto) – robô fora de controle
Philip K Dick – Imposter (conto) – troca de identidades (robô/humano)
Fritz Leiber – Bad Day for Sales (conto) – sistemas tecnológicos ineficientes

1954
Isaac Asimov – Caves of Steel (conto). As cidades do planeta estão poluídas e os habitantes vivem sob as cúpulas. Robôs gerenciam toda a vida.
Fredric Brown – The Answer (conto) – o computador como Deus
Frederick Pohl – The Midas Plague (conto) – sistemas computadorizados ineficientes

1955
Estados Unidos e União Soviética anunciam intenções de construir bases lançadoras de foguetes
Isaac Asimov – Risk (conto) – robô piloto de testes de espaçonaves é substituído por um ser humano
Robert Bloch – Comfort Me, My Robot (conto) – troca de identidades (robô/humano)
Philip K. Dick – Autofac (conto) – máquinas auto-reprodutivas
Walter Miller – The Darfsteller (conto) – atores se tornam redundantes graças ao teatro de robôs, troca de identidades (robô/humano)

1956
Isaac Asimov – The Last Question (conto) O maior computador do mundo precisa responder uma pergunta sem resposta.
Isaac Asimov – The Jokester (conto) – computador descobre o humor
Isaac Asimov – The Naked Sun (romance) – robô descontrolado
Robert Silverberg – The Macauley Circuit (conto) – computador-músico
Clifford D. Simak – So Bright the Vision (conto) – literatura produzida por máquinas

1957
Lançado o Sputnik, inicia a corrida espacial
The Invisible Boy (filme) – o computador como uma ameaça à humanidade.

1958
Brian Aldiss – But Who Can Replace a Man? (conto) – um mundo governado por máquinas

1959
Primeiro teste bem sucedido com um míssil balístico intercontinental (Titan)
Dois macacos são os primeiros seres vivos a retornarem com vida de vôo orbital (Jupiter AM-18).
Explorer 6 envia a primeira foto do nosso planeta a partir do espaço
Edmond Cooper – Seed of Light (romance) superpopulação leva sobreviventes a buscar um novo mundo
Mordecai Roshwald – Level Seven (romance) distopia nuclear

1960
Criado o circuito integrado
Philip K. Dick – Vulcans Hammer (romance) – desenvolvimento da consciência artificial
R. C. Phelan – Something Invented Me (conto) – literatura produzida por máquinas

1961
J. G. Ballard – Studio 5, The Stars (conto) – literatura produzida por máquinas
Hal Draper – Ms Fnd in a Lbry (conto) – sistemas computadorizados em colapso
Fritz Leiber – The Silver Eggheads (romance) – literatura produzida por máquinas

1963
A série Dr.Who começa a ser exibida na televisão inglesa

1964
Criada a linguagem BASIC de programação de computadores
Philip K. Dick – The Three Stigmata of Palmer Eldritch (romance) – psiquiatra-robô
Stanislav Lem – The Invincible (romance) – máquinas autônomas

1965
Primeiro mini computador lançado comercialmente (PDP 8 da DEC, custava 18 mil dólares e pesava 300 quilos)
Peter Currell Brown – Smallcreeps Day (romance) – sátira surreal sobre automação
Gordon R Dickson – Computers Don’t Argue (conto) – sistemas computadorizados ineficientes.
Ron Goulart – Badinage (conto) – sistemas computadorizados ineficientes

1966
A série Star Trek começa a ser exibida na televisão americana
Robert Escarpit The romance Computer (do francês) – literatura produzida por máquinas
Robert Heinlein – The Moon is a Harsh Mistress (romance) – desenvolvimento da consciência artificial
Frank Herbert – Destination Void (romance) – desenvolvimento da consciência artificial
Olof Johannesson – The Tale of the Big Computer (romance) – máquinas autônomas; desenvolvimento da consciência artificial
Keith Roberts – Synth (conto) – desenvolvimento da consciência artificial
Roger Zelazny – For a Breath I Tarry (conto) – desenvolvimento da consciência artificial
Samuel R. Delanys – Babel -17 (romance) TW -55, um clone com propósitos maléficos.

1967
Harlan Ellison – I Have no Mouth and I Must Scream (conto) – desenvolvimento da consciência artificial
Bruce Kawin – Form 5640A – Report of a Malfunction (conto) – sistemas computadorizados ineficientes
Stanislav Lem – The Cyberiad (romance) – desenvolvimento da consciência artificial
Fred Saberhagen – a série Berserker(romance) – máquinas autônomas; desenvolvimento da consciência artificial; computadores buscam eliminar toda a vida no universo

1968
Primeiros robôs industriais
Richard Brautigan – All Watched Over by Machines of Loving Grace (poema) – elegia (ou ironia?) à união da natureza com a tecnologia
Martin Caidin – The God Machine (romance) – desenvolvimento da consciência artificial
Philip K. Dick – Do Androids Dream of Electric Sheep? (romance) – frágil distinção entre humanos e robôs
Michael Frayn – A Very Private Life (romance) – distópica visão da automação
Stanley Kubrick – 2001 – A Space Odyssey (filme) – HAL, o computador da nave mata a tripulação humana que deveria proteger
Robert Silverberg – Going Down Smooth (conto) – robô-psiquiatra
John Sladek – The Reproductive System (romance) – máquinas auto-reprodutivas

1969
Primeiro homem na Lua
John Brunner – The Jagged Orbit (romance) – total dependência tecnológica
Philip K. Dick – The Electric Ant (conto) – homem descobre ser um robô, frágil distinção entre humanos e robôs

1970
Lançada a calculadora eletrônica de bolso
D. G. Compton – The Steel Crocodile (romance) – exploração da interseção de religião e ciência.
Norman Corwin – Belles Lettres, 2272 (conto) – literatura produzida por máquinas
Philip K Dick – We Can Build You (romance) – frágil distinção entre humanos e robôs
Ira Levin – This Perfect Day (romance) – distopia, computador governa um mundo sem diferenças de gênero, raça e credo.

1971
Microprocessador comercial (Intel)
The Andromeda Strain (filme baseado no romance de Michael Crichton de 1969) – visão claustrofóbica científica
THX 1138 (filme) – repressão por robôs policiais
Richard e Nancy Carrigan – The Siren Stars (romance) – desenvolvimento da consciência artificial
John Sladek – The Muller -Fokker Effect (romance) – computadores produzindo arte

1972
Primeiros vídeo games (Odyssey)
David Gerrold – When Harlie Was One (romance) – desenvolvimento da consciência artificial
Ira Levin – The Stepford Wives (romance filmado a primeira vez em 1975) – esposas substituídas por robôs

1973
Westworld (filme) – robôs fogem ao controle

1974
Bomb 20 – bomba nuclear senciente do filme Dark Star de John Carpenter
Isaac Asimov – That Thou Art Mindful of Him (conto) – robô desenvolve julgamento
Barrington J Bayley – The Soul of the Robot (romance) – ‘Cogito, ergo sum’ levado a sério por um robô

1975
Primeiros microcomputadores (Commodore)
Isaac Asimov – The Life and Times of Multivac (conto) – o computador que governa uma sociedade pacífica é desligado por aqueles que se sentem escravizados por ele
John Brunner – The Shockwave Rider (romance) – repressão tecnológica

1976
Isaac Asimov – The Bicentennial Man (conto) – robô busca tornar-se humano

1977
Frederik Pohl – Gateway (romance) – robô psiquiatra
Demon seed (filme) – desenvolvimento da consciência artificial

1978
Se inicia a venda de computadores pessoais no Reino Unido
Nasce o primeiro ‘bebê de proveta’ (Louise Brown)
Chelsea Quinn Yarbro – False Dawn (romance) – eco-catástrofe.

1979
Acidente nuclear de Three Mile Islands

1980
Walter Tevis – Mockingbird – um andróide suicida tenta salvar uma humanidade decadente, dependência tecnológica

1981
O vírus da Aids é identificado em laboratório
William Gibson – Johnny Mnemonic (conto) – distopia ciberpunk, o real versus o virtual

1982
A Times escolhe o computador como ‘O Homem do Ano’

1983
Surge a Internet (ARPANET)
Joshua – uma rotina de computador se utiliza do WOPR (simulador da guerra nuclear) em Jogos de Guerra (filme) para iniciar a WWIII

1984
Viagem de estréia do ônibus espacial
The Terminator (filme) – a Skynet redesenha o destino da humanidade, desenvolvimento da consciência artificial
Kim Stanley Robinson – The Wild Shore (romance) utopia pós apocalipse; tecnologia como grande vilã

1985
Buraco na camada de ozônio
Brazil (filme) – sociedade altamente tecnológica manipulada pela informação

1986
Lançamento da estação espacial MIR
Runaway (filme de Michael Crichton.) – Jack Ramsay caça robôs descontrolados

1987
Robocop (filme) – o homem (Murphy) “ressuscita” como máquina, sistema de opressão robótico

1988
Rudy Rucker – Wetware (romance) – O planeta populado por uma raça híbrida (homem/máquina)

1992
O aquecimento Global chega às manchetes dos jornais
A fortaleza (filme) – controle populacional, controle total do indivíduo

1993
Vernor Vinge – The Coming Technological Singularity (ensaio), marco na elaboração do pensamento do futuro da inteligência artificial

1994
WWW. A internet começa a se popularizar. Vinte e cinco milhões de usuários no mundo.
Neal Stephenson – The Diamond Age (romance) a nanotecnologia recriando vida

1995
Ghost in the Shell (animação japonesa) Inteligência artificial para fins militares
John Barnes – Mother of Storms (romance) humanos superpoderosos graças ao link com máquinas

1996
William Gibson – Idoru (romance) homem se casa com uma celebridade pop virtual

1997
O primeiro clone de uma ovelha (Dolly)
O Grão-mestre Kasparov perde no xadrez para o supercomputador Deep Blue
Greg Egan – Diaspora (romance) – transhumanismo, evolução do homem pela ciência
Gattaca (1997) – aprimoramento e exclusão, extremos do avanço da ciência genética

1998
Pat Cadigan – Tea from an Empty Cup (romance) imersão (sem volta) no mundo virtual

1999
Um vírus de computador (Melissa) infecta 1 milhão de computadores ao redor do mundo causando 80 milhões de dólares em prejuízos
The Matrix (filme) – simulador de realidade virtual escravizando a humanidade

2000
O primeiro esboço do genoma humano é divulgado


 

Adaptação ao texto de Daniel Chandler – http -//www.aber.ac.uk/media/Documents/SF/chrono.html
Timeline SCIFi – http -//www.magicdragon.com/UltimateSF/timeline.html

 

1 comentário em “Imaginando o futuro, dramatizando nossos medosAdicione o seu →

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *