Guia Politicamente Incorreto da História do Mundo – Leandro Narloch

Guia Politicamente Incorreto da História do Mundo – Leandro Narloch

Cintos de castidade na Idade Média? Eles nunca existiram – pelo contrario, manuais da época diziam que o prazer sexual era essencial à saúde das mulheres. Milhares de crianças foram exploradas nas fabricas inglesas do século 19? Está certo, mas é interessante lembrar que a Revolução industrial, pela primeira vez, tornou o trabalho infantil desnecessário. E lembra aquela história de que as guerras e a miséria da África são consequências das fronteiras artificiais criadas pelos europeus? Há quase 30 anos historiadores e economista africanos deixaram de acreditar nela. Abaixo da superfície, a história não é tão simples quanto aquele professor militante costuma nos ensinar. Depois do sucesso do Guia Politicamente Incorreto da História do Brasil e Guia Politicamente Incorreto da América Latina , é hora de finalizar o trabalho. É hora de jogar tomates nos equívocos sobre a história do mundo.

Cintos de castidade na Idade Média? Eles nunca existiram – pelo contrario, manuais da época diziam que o prazer sexual era essencial à saúde das mulheres. Milhares de crianças foram exploradas nas fabricas inglesas do século 19? Está certo, mas é interessante lembrar que a Revolução industrial, pela primeira vez, tornou o trabalho infantil desnecessário. E lembra aquela história de que as guerras e a miséria da África são consequências das fronteiras artificiais criadas pelos europeus? Há quase 30 anos historiadores e economista africanos deixaram de acreditar nela. Abaixo da superfície, a história não é tão simples quanto aquele professor militante costuma nos ensinar. Depois do sucesso do Guia Politicamente Incorreto da História do Brasil e Guia Politicamente Incorreto da América Latina , é hora de finalizar o trabalho. É hora de jogar tomates nos equívocos sobre a história do mundo.

 

9 comentários em “Guia Politicamente Incorreto da História do Mundo – Leandro NarlochAdicione o seu →

  1. Li os dois anteriores desse mesmo autor e aconselho a ler sempre com os dois pés atrás, pois se trata de um jornalista de viés bem reacionário, oriundo da Abril, tendo trabalhado na Veja, que na minha opinião é a mais pernóstica revista de informações gerais que existe neste país.
    Vale a pena ler para ver o lado dos eternos dominadores.
    Um abraço,

    JCoelho

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *