F de Foguete – Ray Bradbury

F de Foguete – Ray Bradbury

“Estes estranhos e maravilhosos contos de beleza e terror transportarão o leitor da luz às trevas, do espaço interior ao infinito, do início dos tempos aos mais remotos limites do futuro. “As estrelas são suas, se você tiver a mente, as mãos e o coração para elas”. Esta frase, do prefácio de “F de Foguete”, resume o fascínio do autor pelo Espaço e as perspectivas não só científicas e técnicas que derivarão da Era do Espaço, mas também sua infinita e eterna perspectiva humana e psicológica, que se irradia de cada um de seus contos, quer seu tema seja a Era do Espaço, ou simplesmente, o frágil elemento humano.”

“Estes estranhos e maravilhosos contos de beleza e terror transportarão o leitor da luz às trevas, do espaço interior ao infinito, do início dos tempos aos mais remotos limites do futuro. “As estrelas são suas, se você tiver a mente, as mãos e o coração para elas”. Esta frase, do prefácio de “F de Foguete”, resume o fascínio do autor pelo Espaço e as perspectivas não só científicas e técnicas que derivarão da Era do Espaço, mas também sua infinita e eterna perspectiva humana e psicológica, que se irradia de cada um de seus contos, quer seu tema seja a Era do Espaço, ou simplesmente, o frágil elemento humano.”

1 comentário em “F de Foguete – Ray BradburyAdicione o seu →

  1. Li ontem o primeiro conto do E de Espaço e curti muito não… pareceu com um filme que vc ta assistindo e de repente acaba, tacam os créditos na tua cara hehe… talvez seja falta de costume com o autor.

  2. F de Foguete – Ray Bradbury

    “Estes estranhos e maravilhosos contos de beleza e terror transportarão o leitor da luz às trevas, do espaço interior ao infinito, do início dos tempos aos mais remotos limites do futuro. “As estrelas são suas, se você tiver a mente, as mãos e o coração para elas”. Esta frase, do prefácio de “F de Foguete”, resume o fascínio do autor pelo Espaço e as perspectivas não só científicas e técnicas que derivarão da Era do Espaço, mas também sua infinita e eterna perspectiva humana e psicológica, que se irradia de cada um de seus contos, quer seu tema seja a Era do Espaço, ou simplesmente, o frágil elemento humano.”

  3. Muito bom… eu tinha esse livro, mas como estava muito mal formatado eu sempre deixava de lado… como sei que o padrão aqui é outro… baixando e vai para a lista.

  4. Bradbury falando de F de Foguete:

    Na margem desses substantivos, tropecei numa história de ficção científica que não era uma ficção científica. Meu título era “F de foguete”. O título publicado foi “King of the Grey Spaces”, a história de dois meninos, grandes amigos, um escolhido para ir para a Academia Espacial, enquanto o outro ficaria em casa. O conto foi rejeitado por todas as revistas de ficção científica porque, na verdade, era apenas uma história sobre a amizade que era testada pela circunstância, ainda que a circunstância fosse uma viagem espacial. Mary Gnaedinger, da Famous Fantastic Mysteries, deu uma olhada na minha história e decidiu publicar. Mas, novamente, eu era jovem demais para ver que “F de foguete” seria o tipo de história que me faria um escritor de ficção científica, admirado por alguns e criticado por muitos que perceberam que eu não era um escritor de ficção científica; eu era um escritor de “pessoas”, e que se dane!

    (…)

    Escrito em Zen e a arte de escrever (disponível neste site). Fantástico.

    Agora é esperar que minha contribuição seja disponibilizada e os meus pontos computados para poder ler este ótimo livro.

  5. "Tampouco esqueci os dinossauros que todos os meninos gostam; eles estão aqui, também, junto com u'a Máquina que viaja para trás no Tempo, para pisar numa borboleta." Ray Bradbury

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *