Deixa ela entrar – John Ajvide Lindqvist

Deixa ela entrar – John Ajvide Lindqvist

Exibido pela primeira vez no Brasil na 33a Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, em 2009, o filme sueco Deixa ela entrar é um fenômeno cult. Conquistou prêmios em mais de quarenta festivais pelo mundo e foi refilmado por Hollywood (Deixe-me entrar é a versão americana, de 2010). Concebida por John Ajvide Lindqvist, a história que deu origem ao filme foi publicada em 2004 na Suécia, onde se tornou best-seller instantâneo, lançada em mais de 30 países, e agora é publicada no Brasil pela Globo Livros.Trata-se de uma das mais perturbadoras ficções de terror dos últimos tempos. Grande parte de seu impacto se deve à originalidade com que Lindqvist aborda a seara do vampirismo. Vários elementos dessa literatura estão presentes – a começar pelo título, que faz referência à crendice de que vampiros só podem entrar em lugares para os quais são convidados –, porém ambientados no mais cru realismo.No enredo, Oskar, um garoto de doze anos, vive com a mãe no subúrbio de Estocolmo, na década de 1980. Solitário e alvo de bullying na escola, passa o tempo lendo e colecionando notícias sobre serial killers e planejando se vingar de seus perseguidores. No entanto sua rotina é alterada quando uma garota de doze anos, Eli, se muda para o apartamento ao lado. Uma profunda identificação aproxima o menino a Eli, ao mesmo tempo em que a vizinhança passa a ser assolada por uma onda de mortes misteriosas.Muito mais que sustos, o livro de Lindqvist desperta os horrores de quem tem de passar da infância para a maturidade em circunstâncias adversas e em um cenário opressivo. Com habilidade, o autor recorre a um registro naturalista, temperado de referências à cultura pop, para desenvolver uma história em que os medos são despertados tanto por elementos sobrenaturais quanto pela realidade concreta.

Exibido pela primeira vez no Brasil na 33a Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, em 2009, o filme sueco Deixa ela entrar é um fenômeno cult. Conquistou prêmios em mais de quarenta festivais pelo mundo e foi refilmado por Hollywood (Deixe-me entrar é a versão americana, de 2010). Concebida por John Ajvide Lindqvist, a história que deu origem ao filme foi publicada em 2004 na Suécia, onde se tornou best-seller instantâneo, lançada em mais de 30 países, e agora é publicada no Brasil pela Globo Livros.Trata-se de uma das mais perturbadoras ficções de terror dos últimos tempos. Grande parte de seu impacto se deve à originalidade com que Lindqvist aborda a seara do vampirismo. Vários elementos dessa literatura estão presentes – a começar pelo título, que faz referência à crendice de que vampiros só podem entrar em lugares para os quais são convidados –, porém ambientados no mais cru realismo.No enredo, Oskar, um garoto de doze anos, vive com a mãe no subúrbio de Estocolmo, na década de 1980. Solitário e alvo de bullying na escola, passa o tempo lendo e colecionando notícias sobre serial killers e planejando se vingar de seus perseguidores. No entanto sua rotina é alterada quando uma garota de doze anos, Eli, se muda para o apartamento ao lado. Uma profunda identificação aproxima o menino a Eli, ao mesmo tempo em que a vizinhança passa a ser assolada por uma onda de mortes misteriosas.Muito mais que sustos, o livro de Lindqvist desperta os horrores de quem tem de passar da infância para a maturidade em circunstâncias adversas e em um cenário opressivo. Com habilidade, o autor recorre a um registro naturalista, temperado de referências à cultura pop, para desenvolver uma história em que os medos são despertados tanto por elementos sobrenaturais quanto pela realidade concreta.

 

 

 

 

 

143 comentários em “Deixa ela entrar – John Ajvide LindqvistAdicione o seu →

    1. Interessante a resenha Alcides, pena que como ainda não tenho um tablet não vou poder baixar, mas em breve, até mesmo quando o custo baixar e pego esse livro!

  1. Cheguei a ver as duas versões do filme, realmente salvo duas proporções e publico são ótimos filmes, o livro deve ser de excelente qualidade também.

  2. Deixa ela entrar – John Ajvide Lindqvist

    Exibido pela primeira vez no Brasil na 33a Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, em 2009, o filme sueco Deixa ela entrar é um fenômeno cult. Conquistou prêmios em mais de quarenta festivais pelo mundo e foi refilmado por Hollywood (Deixe-me entrar é a versão americana, de 2010). Concebida por John Ajvide Lindqvist, a história que deu origem ao filme foi publicada em 2004 na Suécia, onde se tornou best-seller instantâneo, lançada em mais de 30 países, e agora é publicada no Brasil pela Globo Livros.Trata-se de uma das mais perturbadoras ficções de terror dos últimos tempos. Grande parte de seu impacto se deve à originalidade com que Lindqvist aborda a seara do vampirismo. Vários elementos dessa literatura estão presentes – a começar pelo título, que faz referência à crendice de que vampiros só podem entrar em lugares para os quais são convidados –, porém ambientados no mais cru realismo.No enredo, Oskar, um garoto de doze anos, vive com a mãe no subúrbio de Estocolmo, na década de 1980. Solitário e alvo de bullying na escola, passa o tempo lendo e colecionando notícias sobre serial killers e planejando se vingar de seus perseguidores. No entanto sua rotina é alterada quando uma garota de doze anos, Eli, se muda para o apartamento ao lado. Uma profunda identificação aproxima o menino a Eli, ao mesmo tempo em que a vizinhança passa a ser assolada por uma onda de mortes misteriosas.Muito mais que sustos, o livro de Lindqvist desperta os horrores de quem tem de passar da infância para a maturidade em circunstâncias adversas e em um cenário opressivo. Com habilidade, o autor recorre a um registro naturalista, temperado de referências à cultura pop, para desenvolver uma história em que os medos são despertados tanto por elementos sobrenaturais quanto pela realidade concreta.

  3. Fiquei sabendo da existência desse livro a uns anos atrás quando estava em uma livraria na gringa. Pensei que nunca ia ver esse lançamento em português. Ainda bem que eu estava errado.

    Valeu Exilado!

  4. também vi os filmes (a versão original norueguesa é bem melhor que a americana, pra variar…) e assim que tiver crédito com certeza vou baixar o livro !!!

    a sugestão é o livro/filme Headhunters, de Jo Nesbo: super triller, mas não sei se o livro já foi lançado por aqui….

  5. Quando eu entro com a minha conta do Google + eu tenho 150 pontos, mas quando entro com o facebook tenho só 15 sendo que é o memso email, aconteceu com alguem tbm?

  6. Baixei antes mesmo de comentar sobre…

    Muito obrigado, já havia lido ele em inglês e estava querendo ler novamente… Recomendo muito, tanto o livro quanto os filmes…

  7. Gostei muito do filme sueco. Como vários posts falam que ele foi o filme que conseguiu melhor representar o livro com certeza vale a pena lê-lo. Valeu pelo post

  8. Os dois filmes, o original e a refilmagem americana, são fantásticos.

    Não sabia que se tratava de um roteiro adaptado. A julgar pelos filmes, deve ser bom…

  9. Eu nunca li um livro de terror que me desse medo, eu acho que o impacto nao é o mesmo, sabe? Eu também nunca tinha visto esse filme, ou ouvido falar no livro. Vou procurar saber mais. Obrigada pelos livros, exilado !

  10. As pessoas comentam bastante sobre esse filme, e tenho curiosidade de realizar a leitura do livro que serviu de inspiração. Vou esperar pra ver se o 'custo' baixa um pouco! 🙂

  11. Assisti ao filme e pretendo ler o livro.

    Realmente é cult, nba verdade não sei dizer se o filme é bom ou ruim, mas como sempre aposto que o livro é bom.

    Parabens exilado…

  12. Assisti o filme sueco em BLU-RAY, e tem uma cena em que o menino vê a Eli nua, e faz menção que ela sofreu mutilação. No Blu-Ray a imagem é muito nítida, coisa que quando assisti em DVD não tinha reparado direito. Espero ler o livro e encontrar esses complementos, ou seja, a história mais completa. A refilmagem Americana até que não é ruim, mas não tem o clima de desolação e opressão do sueco.

    Valeu

  13. Não ando mais com paciência pra vampiro, mas muitos me disseram que este tem uma abordagem diferente. E que é bom! Então, lá vamos nós gastar essa "fortuna"… rs

  14. Esse livro não é o meu gênero favorito.

    Mas, mesmo assim agradeco por disponibilizar tamanha opções, e assim terá outras pessoas interessadas por seu site. Vc tem feito a doferença, Exilado! Belissímo trabalho.

    Fica na Paz!

  15. Bom, dizem que o filme original pescou mais idéias do livro do que a versão americana. Que aliás, é a única que assisti até então. Mas ainda vou dar uma olhada, mas antes queria muito ler o livro. Vou baixar! E logo, logo, darei meu comentário sobre. Um abraço a todos!

  16. Assisti esse filme por engano, e achei bárbaro…

    Nao sabia que era livro…

    acredito que o livro deve ser muito melhor que o filme…

    vamos ver…

    Gostei do resumo que o felipe fez…

    parabens exilado… sou usuraio ativo de sua biblioteca

  17. Não vi a versão americana, mas o filme sueco é sensacional. Não sei se vale a leitura do livro, mas por via das dúvidas vou baixar. Valeu Exilado!!

  18. Sem querer ser pedante ou dar uma de sabe tudo, mas eu não conheço um livro que não seja melhor que um filme! Simplesmente porque são duas coisa completamente diferentes! O nível de detalhes e algumas situações são quase impossíveis de serem transcritas para um filme! Alem de algumas surpresas, no livro você tem que imaginar tudo, e algumas coisas podem ser escondidas, no filme não porque é tudo visual.

  19. Já vi as duas versões do filme e com toda certeza vou conferir o livro. Obrigada por mais um ótimo post de literatura de terror. o/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *