Crepúsculo dos ídolos: Ou como se filosofa com o martelo – Friedrich Nietzsche

Crepúsculo dos ídolos: Ou como se filosofa com o martelo – Friedrich Nietzsche

‘Crepúsculo dos ídolos’ foi a penúltima obra de Nietzsche, escrita e impressa em 1888, pouco antes de o filósofo perder a razão. O próprio Nietzsche a caracterizou – numa das cartas acrescentadas em apêndice a esta edição – como um aperitivo, destinado a ‘abrir o apetite’ dos leitores para a sua filosofia. Trata-se de uma síntese e introdução a toda a sua obra, e ao mesmo tempo uma ‘declaração de guerra’. É com espírito guerreiro que ele se lança contra os ‘ídolos’, as ilusões antigas e novas do Ocidente; a moral cristã, os grandes equívocos da filosofia, as idéias e tendências modernas e seus representantes. De tão variados e abrangentes, esses ataques compõem um mosaico dos temas e atitudes do autor – o perspectivismo, o ‘aristocratismo’, o realismo ante a sexualidade, o materialismo, a abordagem psicológica de artistas e pensadores, o antigermanismo, a misoginia. O título é uma paródia do título de uma ópera de Wagner, ‘Crepúsculo dos deuses’. No subtítulo, a palavra ‘martelo’ deve ser entendida como marreta, para destroçar os ídolos, e também como diapasão, para, ao tocar as estátuas dos ídolos, comprovar que são ocos.

‘Crepúsculo dos ídolos’ foi a penúltima obra de Nietzsche, escrita e impressa em 1888, pouco antes de o filósofo perder a razão. O próprio Nietzsche a caracterizou – numa das cartas acrescentadas em apêndice a esta edição – como um aperitivo, destinado a ‘abrir o apetite’ dos leitores para a sua filosofia. Trata-se de uma síntese e introdução a toda a sua obra, e ao mesmo tempo uma ‘declaração de guerra’. É com espírito guerreiro que ele se lança contra os ‘ídolos’, as ilusões antigas e novas do Ocidente; a moral cristã, os grandes equívocos da filosofia, as idéias e tendências modernas e seus representantes. De tão variados e abrangentes, esses ataques compõem um mosaico dos temas e atitudes do autor – o perspectivismo, o ‘aristocratismo’, o realismo ante a sexualidade, o materialismo, a abordagem psicológica de artistas e pensadores, o antigermanismo, a misoginia. O título é uma paródia do título de uma ópera de Wagner, ‘Crepúsculo dos deuses’. No subtítulo, a palavra ‘martelo’ deve ser entendida como marreta, para destroçar os ídolos, e também como diapasão, para, ao tocar as estátuas dos ídolos, comprovar que são ocos.