Carvão animal – Ana Paula Maia

Carvão animal – Ana Paula Maia

Insólita e provocante, a literatura de Ana Paula Maia pulsa com a intensidade do possível, do real. Suas palavras moldam uma localidade universal, onde os infernos particulares se descortinam nos fragmentos de diálogos. Nas reflexões sobre vida e morte. Amizade e hipocrisia. No olhar mortiço dos homens-besta, sobrecarregados pelo fardo da própria existência. Pelo peso da desesperança, da falta de perspectiva.

Seus heróis são trabalhadores sempre à margem da sociedade, presos na ambigüidade das próprias funções, condicionados pelas próprias escolhas. Marginalizados por elas. Ernesto Wesley, Ronivon, Edgar Wilson. Eles estão por toda parte. O que os torna únicos é a abordagem da autora. A capacidade de filtrar cada realidade e exibir, nua e crua, a motivação de personagens amorais, mas quase líricos.

Com muito sangue, violência e estilo, Ana Paula Maia lança o olhar ao outro, e extrai, de cada um, sua qualidade mais humana. E assim subverte qualquer atitude condenável em feito redentor. Mas não há luz nesse heroísmo. Também não há trevas. É um momento repleto de cinzas, de um tom intermediário, suspenso no tempo. Uma atmosfera claustrofóbica, que envolve e hipnotiza o leitor.

Como um soco no estômago, Carvão Animal nos rouba o ar. Penetra na carne, ossos e tendões. E nos coloca frente a frente com uma realidade muitas vezes despida de dignidade. Uma realidade não calma ou sonolenta. Mas que despedaça e desfigura. Como a morte que ronda esses personagens. É impossível desviar o olhar.

Insólita e provocante, a literatura de Ana Paula Maia pulsa com a intensidade do possível, do real. Suas palavras moldam uma localidade universal, onde os infernos particulares se descortinam nos fragmentos de diálogos. Nas reflexões sobre vida e morte. Amizade e hipocrisia. No olhar mortiço dos homens-besta, sobrecarregados pelo fardo da própria existência. Pelo peso da desesperança, da falta de perspectiva.

Seus heróis são trabalhadores sempre à margem da sociedade, presos na ambigüidade das próprias funções, condicionados pelas próprias escolhas. Marginalizados por elas. Ernesto Wesley, Ronivon, Edgar Wilson. Eles estão por toda parte. O que os torna únicos é a abordagem da autora. A capacidade de filtrar cada realidade e exibir, nua e crua, a motivação de personagens amorais, mas quase líricos.

Com muito sangue, violência e estilo, Ana Paula Maia lança o olhar ao outro, e extrai, de cada um, sua qualidade mais humana. E assim subverte qualquer atitude condenável em feito redentor. Mas não há luz nesse heroísmo. Também não há trevas. É um momento repleto de cinzas, de um tom intermediário, suspenso no tempo. Uma atmosfera claustrofóbica, que envolve e hipnotiza o leitor.

Como um soco no estômago, Carvão Animal nos rouba o ar. Penetra na carne, ossos e tendões. E nos coloca frente a frente com uma realidade muitas vezes despida de dignidade. Uma realidade não calma ou sonolenta. Mas que despedaça e desfigura. Como a morte que ronda esses personagens. É impossível desviar o olhar.

Quer baixar rapidamente e sem propaganda? Faça sua assinatura clicando aqui

1 comentário em “Carvão animal – Ana Paula MaiaAdicione o seu →

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *