Bravura indômita – Charles Portis

Bravura indômita – Charles Portis

Ninguém põe fé que uma menina de 14 anos possa sair de casa e viajar em pleno inverno para vingar a morte do pai, mas na época não pareceu tão estranho, embora eu deva reconhecer que isso não acontece todo dia. Eu tinha só 14 anos quando um covarde que atende pelo nome de Tom Chaney meteu uma bala em meu pai lá em Fort Smith, Arkansas, e roubou sua vida, seu cavalo e 150 dólares em dinheiro, mais duas moedas de ouro da Califórnia que ele levava em uma faixa na cintura.”

Ninguém põe fé que uma menina de 14 anos possa sair de casa e viajar em pleno inverno para vingar a morte do pai, mas na época não pareceu tão estranho, embora eu deva reconhecer que isso não acontece todo dia. Eu tinha só 14 anos quando um covarde que atende pelo nome de Tom Chaney meteu uma bala em meu pai lá em Fort Smith, Arkansas, e roubou sua vida, seu cavalo e 150 dólares em dinheiro, mais duas moedas de ouro da Califórnia que ele levava em uma faixa na cintura.”

Charles Portis é um dos mais importantes e aclamados escritores norte-americanos. Bravura indômita, seu romance mais famoso, foi publicado pela primeira vez em 1968 e deu origem à cultuada adaptação cinematográfica de mesmo nome, estrelada por John Wayne e que o fez ganhar seu único Oscar. Agora adaptada pelos irmãos Joel e Ethan Coen, a história de Portis volta às telas, dessa vez com Jeff Bridges e Matt Damon no elenco.

Considerado uma obra excêntrica e, sobretudo, cômica, Bravura indômita conta a história de Mattie Ross, uma menina de Dardanelle, Arkansas, que aos 14 anos decide abandonar a fazenda natal para caçar o homem que matou traiçoeiramente seu pai e roubou os seus poucos pertences. Com a ajuda de Rooster Cogburn – o mais inclemente dos agentes federais à sua disposição – e de um homem da lei texano, ela parte numa jornada em território desconhecido à procura de vingança.

Com uma incrível personalidade, a jovem protagonista tem de enfrentar homens violentos e a própria inconstância de seus aliados. Sua obstinação, no entanto, tem a capacidade de enfraquecer toda e qualquer resistência ao seu redor.

A nova versão cinematográfica, dirigida e produzida pelos irmãos Coen, resgata a força original do romance. “Eu acho o livro muito mais engraçado e, ao mesmo tempo, violento e perturbador, do que o primeiro filme. Tentamos em nossa versão ser totalmente fiéis ao ponto de vista de Mattie e acho que fizemos um bom trabalho”, revela Ethan Coen.

1 comentário em “Bravura indômita – Charles PortisAdicione o seu →

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *