Beta – Annex #01 – Rachel Cohn

Beta – Annex #01 – Rachel Cohn

Beta trata de um mundo distópico, onde clones são criados para servir humanos privilegiados, que vivem num mundo sofisticado e exclusivo. Depois de um período difícil, chamado de Guerras da Água, surge a ilha de Demesne, um paraíso onde poucos humanos têm permissão para entrar e viver. Apenas os mais ricos e importantes podem morar lá e desfrutar dos privilégios do lugar – um mar capaz de relaxar aqueles que nadam nele e o ar mais puro do planeta, entre outros. Para servir essa população, criam-se clones em laboratórios, sem sentimentos, sem memória e sem gostos. São meros serviçais, feitos a partir de uma matriz humana, que precisou morrer para o clone existir. O que torna Elysia especial é o fato de ela ser uma das primeiras Beta – clone adolescente. Sua matriz era uma garota de 16 anos. Por isso, ela é comprada pela esposa do Governador, a Sra. Bratton, que queria um clone para ficar no lugar da filha adolescente, Astrid, que se rebelou e foi embora, lutar por uma sociedade mais justa. Elysia tem a missão de fazer companhia para as pessoas da família Bratton: além da mãe, a filha caçula, Liesel, e o filho do meio, Ivan. Convivendo com eles e seus amigos, Elysia começa a ter reações estranhas, chegando à conclusão que não é uma replicante como as outras: ela tem paladar, sente emoções, apaixona- se e, o mais estranho, consegue se lembrar de coisas que aconteceram com sua Matriz. Isso permite que ela enxergue os problemas reais desse mundo dito perfeito: os jovens se drogam, os homens abusam das mulheres, as pessoas mentem e vivem apenas de aparências. E ela decide que não quer mais servir a isso. A história tem continuação. O segundo volume, Emergent, acaba de ser escrito pela autora.

Beta-Rachel-CohnBeta trata de um mundo distópico, onde clones são criados para servir humanos privilegiados, que vivem num mundo sofisticado e exclusivo. Depois de um período difícil, chamado de Guerras da Água, surge a ilha de Demesne, um paraíso onde poucos humanos têm permissão para entrar e viver. Apenas os mais ricos e importantes podem morar lá e desfrutar dos privilégios do lugar – um mar capaz de relaxar aqueles que nadam nele e o ar mais puro do planeta, entre outros. Para servir essa população, criam-se clones em laboratórios, sem sentimentos, sem memória e sem gostos. São meros serviçais, feitos a partir de uma matriz humana, que precisou morrer para o clone existir. O que torna Elysia especial é o fato de ela ser uma das primeiras Beta – clone adolescente. Sua matriz era uma garota de 16 anos. Por isso, ela é comprada pela esposa do Governador, a Sra. Bratton, que queria um clone para ficar no lugar da filha adolescente, Astrid, que se rebelou e foi embora, lutar por uma sociedade mais justa. Elysia tem a missão de fazer companhia para as pessoas da família Bratton: além da mãe, a filha caçula, Liesel, e o filho do meio, Ivan. Convivendo com eles e seus amigos, Elysia começa a ter reações estranhas, chegando à conclusão que não é uma replicante como as outras: ela tem paladar, sente emoções, apaixona- se e, o mais estranho, consegue se lembrar de coisas que aconteceram com sua Matriz. Isso permite que ela enxergue os problemas reais desse mundo dito perfeito: os jovens se drogam, os homens abusam das mulheres, as pessoas mentem e vivem apenas de aparências. E ela decide que não quer mais servir a isso. A história tem continuação. O segundo volume, Emergent, acaba de ser escrito pela autora.

1 comentário em “Beta – Annex #01 – Rachel CohnAdicione o seu →

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *