Banco – Henri Charrière

Banco – Henri Charrière

“Banco” é continuação da história de “Pappilon”, quando o personagem principal sai da prisão. “Pappilon”, que significa borboleta, é a história da extraordinária aventura da vida de Henri Charrière, quando este foi condenado à prisão perpétua. O autor era tido como perigoso por jamais deixar escapar a presa. O acusado oficial fez de tudo para despedaçar a borboleta, em coro ao juiz. Ele pintava o retrato do réu com mentiras, afim de que os jurados o fizessem desaparecer da sociedade.
Julgado, passou por várias prisões chegando até a Colômbia, onde conseguiu fugir, depois de várias tentativas e de ter-se submetido a trabalhos forçados. Henri Charrière, ao descrever todo o processo pelo qual passou ao longo desses anos, sempre levantava à discussão de até que ponto o silêncio absoluto, o isolamento completo, infligido a uma mente jovem, podem provocar uma verdadeira vida imaginativa. A borboleta é intensa, é viva, sobrevoa onde melhor lhe parece, e, depois, em liberdade, tem que criar truques para sobreviver. Seus leitores temiam que com a morte do autor, “Pappilon” tivesse exaurido sua fonte inspiradora, mas ao ser divulgada a notícia de que, entre os papéis deixados por Charrière, se encontrara um manuscrito no qual o ex-prisioneiro dava continuidade às suas memórias.

“Banco” é continuação da história de “Pappilon”, quando o personagem principal sai da prisão. “Pappilon”, que significa borboleta, é a história da extraordinária aventura da vida de Henri Charrière, quando este foi condenado à prisão perpétua. O autor era tido como perigoso por jamais deixar escapar a presa. O acusado oficial fez de tudo para despedaçar a borboleta, em coro ao juiz. Ele pintava o retrato do réu com mentiras, afim de que os jurados o fizessem desaparecer da sociedade. Julgado, passou por várias prisões chegando até a Colômbia, onde conseguiu fugir, depois de várias tentativas e de ter-se submetido a trabalhos forçados. Henri Charrière, ao descrever todo o processo pelo qual passou ao longo desses anos, sempre levantava à discussão de até que ponto o silêncio absoluto, o isolamento completo, infligido a uma mente jovem, podem provocar uma verdadeira vida imaginativa. A borboleta é intensa, é viva, sobrevoa onde melhor lhe parece, e, depois, em liberdade, tem que criar truques para sobreviver. Seus leitores temiam que com a morte do autor, “Pappilon” tivesse exaurido sua fonte inspiradora, mas ao ser divulgada a notícia de que, entre os papéis deixados por Charrière, se encontrara um manuscrito no qual o ex-prisioneiro dava continuidade às suas memórias.

 

1 comentário em “Banco – Henri CharrièreAdicione o seu →

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *