As aventuras do bom soldado Švejk – Jaroslav Hašek

As aventuras do bom soldado Švejk – Jaroslav Hašek

Escrito pouco depois da Primeira Guerra Mundial, na qual o autor lutou, As aventuras do bom soldado Švejk narra a história do anti-herói Josef Švejk, soldado tcheco com incrível e hilariante capacidade de se meter nas piores confusões. Personagem ambíguo, entre o tolo e o dissimulado, ele se envolve em inúmeras e impagáveis trapalhadas que, no entanto, não decorrem apenas de sua sagaz ingenuidade ou desastrada esperteza. O mundo de Švejk é extremamente cruel; ruma para a destruição, apesar da aparente hilaridade que cerca a ele e seus inconstantes companheiros. Ambientada nos anos iniciais da Primeira Guerra Mundial (1914-1918), a narrativa acompanha a labiríntica trajetória desse militar do Exército austro-húngaro, que já nas primeiras páginas é preso por “alta traição” e, logo em seguida, declarado demente por uma junta médica. Internado num manicômio, de onde é expulso, alista-se para combater no grande conflito global. Acaba relegado à ordenança de um capelão mulherengo, perdulário e alcoólatra, que o “vende” no jogo de cartas a um tenente. Os incontáveis episódios e contratempos fazem da leitura de As aventuras do bom soldado Švejk, em edição traduzida diretamente do tcheco, uma experiência ímpar. Longe de ser mero “testemunho” da barbárie, o romance de Jaroslav Hašek usa a comicidade para refletir sobre o absurdo da guerra e dos regimes antidemocráticos. Ao encarar esse mundo como objeto de ficção, o riso talvez não tenha sido apenas uma escolha de Jaroslav Hašek, mas a única forma de expressar uma visão implacável da humanidade. Caudalosa e inacabada, As aventuras do bom soldado Švejk é sobretudo uma incômoda certeza de que para a humanidade não resta qualquer salvação.

Escrito pouco depois da Primeira Guerra Mundial, na qual o autor lutou, As aventuras do bom soldado Švejk narra a história do anti-herói Josef Švejk, soldado tcheco com incrível e hilariante capacidade de se meter nas piores confusões. Personagem ambíguo, entre o tolo e o dissimulado, ele se envolve em inúmeras e impagáveis trapalhadas que, no entanto, não decorrem apenas de sua sagaz ingenuidade ou desastrada esperteza. O mundo de Švejk é extremamente cruel; ruma para a destruição, apesar da aparente hilaridade que cerca a ele e seus inconstantes companheiros. Ambientada nos anos iniciais da Primeira Guerra Mundial (1914-1918), a narrativa acompanha a labiríntica trajetória desse militar do Exército austro-húngaro, que já nas primeiras páginas é preso por “alta traição” e, logo em seguida, declarado demente por uma junta médica. Internado num manicômio, de onde é expulso, alista-se para combater no grande conflito global. Acaba relegado à ordenança de um capelão mulherengo, perdulário e alcoólatra, que o “vende” no jogo de cartas a um tenente. Os incontáveis episódios e contratempos fazem da leitura de As aventuras do bom soldado Švejk, em edição traduzida diretamente do tcheco, uma experiência ímpar. Longe de ser mero “testemunho” da barbárie, o romance de Jaroslav Hašek usa a comicidade para refletir sobre o absurdo da guerra e dos regimes antidemocráticos. Ao encarar esse mundo como objeto de ficção, o riso talvez não tenha sido apenas uma escolha de Jaroslav Hašek, mas a única forma de expressar uma visão implacável da humanidade. Caudalosa e inacabada, As aventuras do bom soldado Švejk é sobretudo uma incômoda certeza de que para a humanidade não resta qualquer salvação.