As Aventuras de Tibicuera – Érico Veríssimo

As Aventuras de Tibicuera – Érico Veríssimo

“Aqui estão as aventuras de Tibicuera, contadas por ele próprio. O herói narra sua fabulosa viagem através do tempo, que começou numa taba tupinambá, antes de 1500, e terminou num arranha-céu de Copacabana em 1942.” Assim Erico Verissimo apresenta sua versão da história nacional, publicada em 1937 com o objetivo de fazer frente ao nacionalismo ufanista do Estado Novo. Logo no início, o herói recebe dois presentes do pajé de sua tribo: o apelido Tibicuera, que significa “cemitério” em sua língua, e o segredo da eterna mocidade.

A posse desse segundo regalo lhe permite participar de episódios marcantes da história do Brasil. O índio está no litoral da Bahia quando Cabral aporta, em 1500. Participa da luta contra os franceses e os holandeses no Rio de Janeiro e em Pernambuco, e da defesa do Quilombo dos Palmares. Combate na Revolução Farroupilha e está presente nos eventos da Independência, bem como na agitação que marca a proclamação da República.
Trata-se de uma mistura de fato e ficção que ensina, além de divertir, ao possibilitar que a história se desenrole – conforme diz Tibicuera – como “um romance de aventuras que se passa na Terra e tem como personagem principal a Humanidade”.

As Aventuras de Tibicuera - Érico Veríssimo“Aqui estão as aventuras de Tibicuera, contadas por ele próprio. O herói narra sua fabulosa viagem através do tempo, que começou numa taba tupinambá, antes de 1500, e terminou num arranha-céu de Copacabana em 1942.” Assim Erico Verissimo apresenta sua versão da história nacional, publicada em 1937 com o objetivo de fazer frente ao nacionalismo ufanista do Estado Novo. Logo no início, o herói recebe dois presentes do pajé de sua tribo: o apelido Tibicuera, que significa “cemitério” em sua língua, e o segredo da eterna mocidade.

A posse desse segundo regalo lhe permite participar de episódios marcantes da história do Brasil. O índio está no litoral da Bahia quando Cabral aporta, em 1500. Participa da luta contra os franceses e os holandeses no Rio de Janeiro e em Pernambuco, e da defesa do Quilombo dos Palmares. Combate na Revolução Farroupilha e está presente nos eventos da Independência, bem como na agitação que marca a proclamação da República.
Trata-se de uma mistura de fato e ficção que ensina, além de divertir, ao possibilitar que a história se desenrole – conforme diz Tibicuera – como “um romance de aventuras que se passa na Terra e tem como personagem principal a Humanidade”.