Areia nos dentes – Antônio Xerxenesky

Compartilhe:

Homens com armas no coldre, à espreita do perigo. Duelos, carteados, mariachis, ambiente desértico, entra e sai no saloon. Elementos típicos das melhores histórias de faroeste povoam o primeiro romance do gaúcho Antônio Xerxenesky. Embaralhadas a eles, situações em geral alienígenas ao clássico repertório do Velho Oeste: um escritor às voltas com um vírus de computador, pitadas irônicas de metalinguagem e até um ataque de zumbis. O pastiche, porém, é apenas uma das dimensões deste livro de estreia. Herdeiro das artimanhas do cinema, contagiado pelas possibilidades narrativas da metaficção, Areia nos dentes passeia por enquadramentos originalíssimos. Como pontos de partida, dois eixos narrativos básicos. Em Mavrak, um vilarejo perdido na fronteira entre o México e os Estados Unidos, duas famílias alimentam uma rivalidade ancestral, num passado não muito remoto. Num apartamento da capital mexicana, um aposentado experimenta as angústias típicas de um escritor, ao tentar, nos dias atuais, narrar a história de seus antepassados. Debaixo destes dois eixos, porém, há diversas outras histórias que se agregam num jogo de espelhos, construído com humor esperto e destreza literária. Porque Areia nos dentes é, sobretudo, um exercício de estratégias narrativas. O leitor ora invade o diário de um personagem, ora acompanha, concomitantemente, o pensamento de dois caubóis envolvidos numa perseguição a cavalo, em duas colunas que dividem a página. Recursos que provam a raridade deste romance de estreia, no qual a ousadia estilística caminha lado a lado com a ideia de que a literatura pode — e deve — ser uma baita diversão.

Quer baixar rapidamente e sem propaganda? Torna-se nosso patrono clicando aqui

(Visited 522 times, 1 visits today)
Compartilhe:

Send a Comment

Your email address will not be published.

Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com

Gostou do epubr.club? Por favor, espalhe a palavra :)