Apontamentos de viagem – Joaquim de Almeida Leite Moraes

Apontamentos de viagem – Joaquim de Almeida Leite Moraes

O autor deste livro, Joaquim de Almeida Leite Moraes (1834-1895), foi nomeado presidente de Goiás em 1881, com o encargo de fazer cumprir uma lei eleitoral. Como havia lutado por ela, não pôde recusar o sacrifício, que o obrigou a ficar um ano longe da família. Saindo de São Paulo, viajou a cavalo a partir de Casa Branca, numa viagem penosa de mais de trinta dias cheios de contratempos e perigos, com um desconforto que hoje parece incrível. Quando deixou o governo, preferiu voltar de maneira surpreendente, descendo o Araguaia e o Tocantins até Belém do Pará, onde tomou o vapor que o trouxe ao Rio de Janeiro.
São estas duas jornadas que ele conta, com grande talento narrativo, amparado no sentimento penetrante da natureza e na capacidade de registrar de maneira expressiva fatos e costumes. Daí um relato que põe a imaginação do leitor na chuva e no sol, no desconforto mais agudo e na hospitalidade tosca do sertão, em meio a animais tresmalhados e embarcações que quase vão a pique. A escrita espontânea e muito reveladora prende o tempo todo, dando um toque de prazer ao conhecimento que proporciona do Brasil no século XIX.
Publicado em 1882 numa edição privada, só agora este livro é posto ao alcance do público, segundo um conselho de Rubens Borba de Moraes, grande especialista em literatura de viagens no Brasil, que queria vê-lo reeditado por ser, diz ele, um dos melhores do gênero.

O autor deste livro, Joaquim de Almeida Leite Moraes (1834-1895), foi nomeado presidente de Goiás em 1881, com o encargo de fazer cumprir uma lei eleitoral. Como havia lutado por ela, não pôde recusar o sacrifício, que o obrigou a ficar um ano longe da família. Saindo de São Paulo, viajou a cavalo a partir de Casa Branca, numa viagem penosa de mais de trinta dias cheios de contratempos e perigos, com um desconforto que hoje parece incrível. Quando deixou o governo, preferiu voltar de maneira surpreendente, descendo o Araguaia e o Tocantins até Belém do Pará, onde tomou o vapor que o trouxe ao Rio de Janeiro.
São estas duas jornadas que ele conta, com grande talento narrativo, amparado no sentimento penetrante da natureza e na capacidade de registrar de maneira expressiva fatos e costumes. Daí um relato que põe a imaginação do leitor na chuva e no sol, no desconforto mais agudo e na hospitalidade tosca do sertão, em meio a animais tresmalhados e embarcações que quase vão a pique. A escrita espontânea e muito reveladora prende o tempo todo, dando um toque de prazer ao conhecimento que proporciona do Brasil no século XIX.
Publicado em 1882 numa edição privada, só agora este livro é posto ao alcance do público, segundo um conselho de Rubens Borba de Moraes, grande especialista em literatura de viagens no Brasil, que queria vê-lo reeditado por ser, diz ele, um dos melhores do gênero.

1 comentário em “Apontamentos de viagem – Joaquim de Almeida Leite MoraesAdicione o seu →

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *