América – Robert Crumb

América – Robert Crumb

Não seria absurdo dizer que, neste início de século XXI, há um consenso a respeito dos malefícios que o chamado império norte-americano vem causando ao planeta. Do escritor Gore Vidal e os fundamentalistas muçulmanos, passando pelo cinema europeu e pelas grandes bandas de rock, ao intelectual Noam Chomsky e mais recentemente ao explícito cinema anti-Bush de Michael Moore, o mundo volta seus olhos àquele país que se autoproclamou o paraíso da democracia e da liberdade. Dito isso, não é difícil entender a importância deste álbum de Robert Crumb, América.

O pano de fundo na maioria de seus trabalhos no tempo da Zap Comix, ou em personagens como Fritz, The Cat ou Mr. Natural (todos publicados pela Conrad Editora), é uma fina e corrosiva crítica à sociedade americana – mesmo que nem sempre seja este o alvo principal de suas histórias. No entanto, em América – que reúne histórias da década de 1970 até 1997 -, Robert Crumb mostra as diversas nuances de uma sociedade abduzida pelo consumo, um país que produziu heróis da democracia e da contracultura e parece ter perdido o fio da meada. O que acontece com a América? Essa é a pergunta que Crumb nos faz, entre a angústia e o cinismo.

As histórias desta coletânea são seus trabalhos mais explicitamente críticos e politizados. De certa forma, a auto-ironia mesclada à perplexidade e o sarcasmo fundido ao ressentimento e impotência fazem Crumb buscar uma América idílica, vista pelo retrovisor, e despertam nele profundos sentimentos niilistas diante do presente. Talvez por tudo isso, o que chamamos de estilo crumbiano esteja aqui representado com 40 graus de febre.

 América - Robert Crumb Robert Crumb

 América - Robert Crumb Robert Crumb   Não seria absurdo dizer que, neste início de século XXI, há um consenso a respeito dos malefícios que o chamado império norte-americano vem causando ao planeta. Do escritor Gore Vidal e os fundamentalistas muçulmanos, passando pelo cinema europeu e pelas grandes bandas de rock, ao intelectual Noam Chomsky e mais recentemente ao explícito cinema anti-Bush de Michael Moore, o mundo volta seus olhos àquele país que se autoproclamou o paraíso da democracia e da liberdade. Dito isso, não é difícil entender a importância deste álbum de Robert Crumb, América.

O pano de fundo na maioria de seus trabalhos no tempo da Zap Comix, ou em personagens como Fritz, The Cat ou Mr. Natural (todos publicados pela Conrad Editora), é uma fina e corrosiva crítica à sociedade americana – mesmo que nem sempre seja este o alvo principal de suas histórias. No entanto, em América – que reúne histórias da década de 1970 até 1997 -, Robert Crumb mostra as diversas nuances de uma sociedade abduzida pelo consumo, um país que produziu heróis da democracia e da contracultura e parece ter perdido o fio da meada. O que acontece com a América? Essa é a pergunta que Crumb nos faz, entre a angústia e o cinismo.

As histórias desta coletânea são seus trabalhos mais explicitamente críticos e politizados. De certa forma, a auto-ironia mesclada à perplexidade e o sarcasmo fundido ao ressentimento e impotência fazem Crumb buscar uma América idílica, vista pelo retrovisor, e despertam nele profundos sentimentos niilistas diante do presente. Talvez por tudo isso, o que chamamos de estilo crumbiano esteja aqui representado com 40 graus de febre.

 América - Robert Crumb Robert Crumb

1 comentário em “América – Robert CrumbAdicione o seu →

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *