Alyena – Jorge Deichmann Miguel

Alyena – Jorge Deichmann Miguel

Bem-vindo ao mundo de Alyena.
Num cenário pós apocalíptico do século XXII os grupos remanescentes procuram reconstruir a civilização nas regiões ao sul da América Latina. Há porém um elemento restritivo: armas de fogo e todo tipo de veículos ou motores a explosão são proibidos.
Acionar qualquer arma ou motor desencadeia retaliação letal. Quem exerce esta restrição é um sistema automático de satélites em órbita que pune cada infração com um raio mortífero, um poderoso feixe de energia baseado nas idéias de Nicola Tesla.
O sistema é controlado por uma inteligência artificial chamada Párprimus, encarregada de aplicar o que se intitula “Programa de Controle de Violência e Contenção de Conflitos Demetrius Korahner”.
Alyena, personagem principal, almeja o poder sobre seu povo e pretende alcança-lo através de um assassinato frio e perfeitamente calculado. Tudo se baseia na
descoberta de um tipo de arma antiga aparentemente imune aos ataques de Párprimus. Prepara então seu plano auxiliada pelo inadvertido admirador Zalian, rapaz valoroso mas constantemente sob sua influência.
O que Alyena não imagina é que o acionamento de tal arma produz uma punição mais terrível: Ao usa-la ela é transportada à estação principal em órbita, substituindo o infrator anterior na missão solitária de ser a única presença humana no Programa. A solidão será terrível, mas ela finalmente disporá de um poder tremendo, de vida e de morte, sobre os habitantes em terra.
A partir deste momento a história salta quatro anos se abre em várias tramas.
Zalian une-se a Steno e Nayra para resgatar a mulher em órbita e traze-la a julgamento.
Nayra é a bela rainha das Jyssaras, um povo matriarcal vizinho ao povo de Maron, ao qual pertecem os demais. Motiva-se por vingança pela morte de sua irmã, causada pelo desatino de Alyena. Steno é um rapaz inventivo cujas habilidades serão úteis.
Ao grupo une-se mais tarde Demini, jovem com talento nato para operar computadores e explorar o pouco que restou da Internet.
Porém mais a sudoeste da região, Kalusta Roll, antecessor de Alyena na infeliz função orbital, tem um plano para derrubar o satélite. Uma vez rendido e devolvido à terra tratará de realiza-lo.
Malodamnus, um truculento ditador, deseja construir um império usando a força bruta. Tem uma admiração irresistível pelo Satélite e seu poder destruidor. Descobre em Kalusta Roll um possível instrumento para se apossar de tal arma.
Outras tramas juntam-se e irão convergir para um ponto incerto no norte do antigo Brasil onde há a promessa de um meio de subir ao espaço.
Neste ínterim Alyena em órbita enfrenta a dura rotina em total solidão. Acompanhada somente pelo dominador Párprimus, ela tem planos secretos para escapar. Mas precisa evitar um inimigo insidioso: a loucura que pode levá-la a exterminar tudo aquilo que lhe é mais caro.

Bem-vindo ao mundo de Alyena.
Num cenário pós apocalíptico do século XXII os grupos remanescentes procuram reconstruir a civilização nas regiões ao sul da América Latina. Há porém um elemento restritivo: armas de fogo e todo tipo de veículos ou motores a explosão são proibidos.
Acionar qualquer arma ou motor desencadeia retaliação letal. Quem exerce esta restrição é um sistema automático de satélites em órbita que pune cada infração com um raio mortífero, um poderoso feixe de energia baseado nas idéias de Nicola Tesla.
O sistema é controlado por uma inteligência artificial chamada Párprimus, encarregada de aplicar o que se intitula “Programa de Controle de Violência e Contenção de Conflitos Demetrius Korahner”.
Alyena, personagem principal, almeja o poder sobre seu povo e pretende alcança-lo através de um assassinato frio e perfeitamente calculado. Tudo se baseia na
descoberta de um tipo de arma antiga aparentemente imune aos ataques de Párprimus. Prepara então seu plano auxiliada pelo inadvertido admirador Zalian, rapaz valoroso mas constantemente sob sua influência.
O que Alyena não imagina é que o acionamento de tal arma produz uma punição mais terrível: Ao usa-la ela é transportada à estação principal em órbita, substituindo o infrator anterior na missão solitária de ser a única presença humana no Programa. A solidão será terrível, mas ela finalmente disporá de um poder tremendo, de vida e de morte, sobre os habitantes em terra.
A partir deste momento a história salta quatro anos se abre em várias tramas.
Zalian une-se a Steno e Nayra para resgatar a mulher em órbita e traze-la a julgamento.
Nayra é a bela rainha das Jyssaras, um povo matriarcal vizinho ao povo de Maron, ao qual pertecem os demais. Motiva-se por vingança pela morte de sua irmã, causada pelo desatino de Alyena. Steno é um rapaz inventivo cujas habilidades serão úteis.
Ao grupo une-se mais tarde Demini, jovem com talento nato para operar computadores e explorar o pouco que restou da Internet.
Porém mais a sudoeste da região, Kalusta Roll, antecessor de Alyena na infeliz função orbital, tem um plano para derrubar o satélite. Uma vez rendido e devolvido à terra tratará de realiza-lo.
Malodamnus, um truculento ditador, deseja construir um império usando a força bruta. Tem uma admiração irresistível pelo Satélite e seu poder destruidor. Descobre em Kalusta Roll um possível instrumento para se apossar de tal arma.
Outras tramas juntam-se e irão convergir para um ponto incerto no norte do antigo Brasil onde há a promessa de um meio de subir ao espaço.
Neste ínterim Alyena em órbita enfrenta a dura rotina em total solidão. Acompanhada somente pelo dominador Párprimus, ela tem planos secretos para escapar. Mas precisa evitar um inimigo insidioso: a loucura que pode levá-la a exterminar tudo aquilo que lhe é mais caro.

Quer baixar rapidamente e sem propaganda? Faça sua assinatura clicando aqui

1 comentário em “Alyena – Jorge Deichmann MiguelAdicione o seu →

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *