A Morte do Palhaço – Raul Brandão

A Morte do Palhaço – Raul Brandão

A História de K. Maurício, palhaço de profissão e alheio da realidade por natureza, é um homem que sofre por ser incapaz de exprimir o seu amor à mulher que ama.

Uma das mais curtas e belas obras de Raul Brandão sobre o amor trágico, por onde desfilam as mais extrínsecas personagens do mundo circense que, pelas suas discussões e ações, levantam questões filosóficas acerca do sonho e da vida mundana, do correcto ou incorrecto, da vida e da morte.

K. Maurício é um palhaço de circo que adora fazer rir as pessoas, tornando-as felizes. Durante as suas atuações, em cada gesto ou palavra, exprime o seu estado de espírito e a sua vida fantasiosa e faz isto perfeitamente porque vive num constante mundo de sonho, sem dar importância ao que é mundano. Um dia apaixona-se por Camélia, uma trapezista, mas ao exprimir o seu amor, expondo os seus sentimentos como costuma fazer nas suas atuações, apercebe-se que Camélia apenas se ri das suas lágrimas e dos seus sentimentos. Isto acaba por leva-lo ao desespero e a cometer atos encabeçados pelo ciúme.

A Morte do Palhaço – Raul BrandãoA História de K. Maurício, palhaço de profissão e alheio da realidade por natureza, é um homem que sofre por ser incapaz de exprimir o seu amor à mulher que ama.

Uma das mais curtas e belas obras de Raul Brandão sobre o amor trágico, por onde desfilam as mais extrínsecas personagens do mundo circense que, pelas suas discussões e ações, levantam questões filosóficas acerca do sonho e da vida mundana, do correcto ou incorrecto, da vida e da morte.

K. Maurício é um palhaço de circo que adora fazer rir as pessoas, tornando-as felizes. Durante as suas atuações, em cada gesto ou palavra, exprime o seu estado de espírito e a sua vida fantasiosa e faz isto perfeitamente porque vive num constante mundo de sonho, sem dar importância ao que é mundano. Um dia apaixona-se por Camélia, uma trapezista, mas ao exprimir o seu amor, expondo os seus sentimentos como costuma fazer nas suas atuações, apercebe-se que Camélia apenas se ri das suas lágrimas e dos seus sentimentos. Isto acaba por leva-lo ao desespero e a cometer atos encabeçados pelo ciúme.