A Desagradável Profissão de Jonathan Hoag – Robert A. Heinlein

A Desagradável Profissão de Jonathan Hoag – Robert A. Heinlein

A Desagradável Profissão de Jonathan Hoag (The Unpleasant Profession of Jonathan Hoag) é uma estória escrita por Robert A. Heinlein em 1942, e publicada pela primeira vez na revista Unknown Worlds sob o pseudônimo de John Riverside.
Essa estória foi a última contribuição de Robert A. Heinlein à chamada Golden Age da ficção, antes de interromper seu trabalho devido à segunda guerra mundial.
Um filme de Alex Proyas (de Cidade das Sombras, O Corvo e Eu,Robô) está atualmente sendo desenvolvido, mas ainda sem data prevista para lançamento.
Se você acompanha este site, então sabe que já critiquei Robert A. Heinlein anteriormente, e até considerei Um estranho em Uma Terra Estranha um livro superestimado, mas agora dou meu braço a torcer. Ele realmente foi um escritor genial, e esse livro é mais uma prova disso.

A Desagradável Profissão de Jonathan Hoag (The Unpleasant Profession of Jonathan Hoag) é uma estória escrita por Robert A. Heinlein em 1942, e publicada pela primeira vez na revista Unknown Worlds sob o pseudônimo de John Riverside.
Essa estória foi a última contribuição de Robert A. Heinlein à chamada Golden Age da ficção, antes de interromper seu trabalho devido à segunda guerra mundial.
Um filme de Alex Proyas (de Cidade das Sombras, O Corvo e Eu,Robô) está atualmente sendo desenvolvido, mas ainda sem data prevista para lançamento.
Se você acompanha este site, então sabe que já critiquei Robert A. Heinlein anteriormente, e até considerei Um estranho em Uma Terra Estranha um livro superestimado, mas agora dou meu braço a torcer. Ele realmente foi um escritor genial, e esse livro é mais uma prova disso.

Tradução para o português

O maior mistério de The Unpleasant Profession of Jonathan Hoag é tentar entender por que essa estória nunca foi traduzida para o português. Falta de interesse dos editores? Ausência de público no Brasil? Qualquer que seja o motivo, isso não importa mais, pois segue abaixo a tradução para sua apreciação!
É um texto relativamente pequeno, com apenas 76 páginas e cerca de 41000 palavras, mas até agora foi a tradução mais empolgante que já fiz!
Recomendo muito a leitura, é uma estória muito boa, e peço desculpas por erros de português que passaram despercebidos.
Vejam também as notas do tradutor, no final do livro, onde justifico algumas escolhas de tradução, e explico alguns termos incomuns nos dias de hoje.
Tudo feito com muito carinho, apenas por amor à literatura!

Introdução ao roteiro (sem spoilers)

Jonathan Hoag, um cidadão de Chicago, apreciador de arte e jantares refinados, subitamente se dá conta de que não tem lembrança alguma de suas atividades durante o dia. Ao lavar as mãos ele descobre uma estranha sujeira sobre suas unhas, que suspeita ser sangue. Preocupado por estar envolvido em alguma atividade nefasta, ele procura um casal de detetives, Teddy e Cynthia Randall, para ajudá-lo a descobrir suas atividades, seguindo-o durante o dia. Ted e Cynthia  encontram-se imediatamente atirados em grandes mistérios: As memórias sobre sua profissão são falsas, ele não deixa impressões digitais, e ainda mais estranho: as próprias lembranças dos investigadores do que acontece durante a investigação parece não combinar. Um prédio de trinta andares que não existe, seres misteriosos e ameaçadores vivendo dentro de espelhos, e a realidade não sendo o que parece.
Parte estória sobrenatural, parte estória de detetives noir, Heinlein nos guia para o fundo do buraco do coelho, levando o leitor para o inesperado e surpreendente!

Material autorizado pelo tradutor