A Arte da Guerra: Por uma estratégia perfeita – Sun Tzu

A Arte da Guerra: Por uma estratégia perfeita – Sun Tzu

Na paz, preparar-se para a guerra; na guerra, preparar-se para a paz. A arte da guerra é de importância vital para o Estado. É uma questão de vida ou morte, um caminho tanto para a segurança como para a ruína. Assim, em nenhuma circunstância deve ser negligenciada.

Desta maneira começa o notável documento chinês, escrito há; cerca de 2 mil e 500 anos, no qual é registrada a sabedoria de Sun Tzu, filósofo que se tornou general. Os conselhos de Sun Tzu podem ser usados de diferentes formas e para diversos campos do conhecimento humano. São muito úteis, principalmente, para jovens executivos e empreendedores, assim como para chefes de Estado e comandantes.

Na paz, preparar-se para a guerra; na guerra, preparar-se para a paz. A arte da guerra é de importância vital para o Estado. É uma questão de vida ou morte, um caminho tanto para a segurança como para a ruína. Assim, em nenhuma circunstância deve ser negligenciada.

Desta maneira começa o notável documento chinês, escrito há; cerca de 2 mil e 500 anos, no qual é registrada a sabedoria de Sun Tzu, filósofo que se tornou general. Os conselhos de Sun Tzu podem ser usados de diferentes formas e para diversos campos do conhecimento humano. São muito úteis, principalmente, para jovens executivos e empreendedores, assim como para chefes de Estado e comandantes.

1 comentário em “A Arte da Guerra: Por uma estratégia perfeita – Sun TzuAdicione o seu →

  1. Caro Exilado, não concordo com a "estante" em que esse livro está alocado: esse não é um livro de Filosofia. Aliás, o pensamento oriental não entra nessa classificação. Não se trata de preconceito, mas de conceito: a Filosofia é, tipicamente, ocidental. Talvez fosse mais interessante abrir uma classificação espcífica para os pensamentos orientais.

  2. Este livro, assim como A Arte de Ter Razão de Arthur Schopenhauer, são 2 livros excelentes, de leitura obrigatória pra vida!!!

    Em muitas situações do dia a dia lembro de passagens tanto de um quanto de outro livro e vejo que muitas decisões equivocadas que tomamos são baseadas em convicções extremamente ignorantes, que se soubéssemos o porque estamos agindo daquela forma, agiríamos diferente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *