A alma do negócio – Alberto Villas

A alma do negócio – Alberto Villas

O livro A alma do negócio: como eram as propagandas nos anos 50, 60 e 70, do jornalista e escritor Alberto Villas, nos leva de volta a uma época pré-tecnológica quando ainda não existiam os computadores e os celulares. Este livro “mostra o trabalho dos pioneiros da propaganda”, como diz Washington Olivetto. Na impressionante coleção de livros, discos e revistas que possui, Villas garimpou as raridades que compõem este livro tão gostoso de curtir.

O livro A alma do negócio: como eram as propagandas nos anos 50, 60 e 70, do jornalista e escritor Alberto Villas, nos leva de volta a uma época pré-tecnológica quando ainda não existiam os computadores e os celulares. Este livro “mostra o trabalho dos pioneiros da propaganda”, como diz Washington Olivetto. Na impressionante coleção de livros, discos e revistas que possui, Villas garimpou as raridades que compõem este livro tão gostoso de curtir.
O autor começa o livro dizendo que o pai vestia uma “camisa Volta ao Mundo” e ia para o trabalho “dirigindo uma Rural Willys”. Os tecidos que dispensavam o ferro de passar, como as camisas Volta ao Mundo, as calças de Nycron, que não perdiam o vinco, e as blusas de Ban-Lon, eram uma grande novidade. Surgiram para facilitar a vida das donas de casa, assim como os revolucionários eletrodomésticos: a enceradeira, a máquina de lavar e a de secar roupas, a televisão a cores. Fraldas descartáveis e a papinha pronta para o bebê. Dessa forma, sobrava mais tempo para cuidar da beleza com o sabonete Gessy, os cremes Rugol e Pond’s, o pó de arroz Cashmere Bouquet e a água de colônia Regina.
Assim como acontece nos dias de hoje, as celebridades eram requisitadas para garantir a qualidade do produto. Uma das que mais atuou nesse campo foi a inesquecível apresentadora Hebe Camargo, cuja imagem passava confiança aos leitores. Outros foram Carmem Miranda, Pelé, Chico Anísio, os integrantes do programa Família Trapo, que fazia grande sucesso na época.
A grande maioria desses produtos foi desaparecendo com o passar do tempo: os famosos drops Dulcora embrulhadinhos um a um, a caneta-tinteiro,a cera Parquetina, as calculadoras, os filmes Kodak… “Um dia, minha filha ainda pequenininha viu meu álbum de retratos de quando eu era criança e perguntou: ‘Quando você era criança o mundo era preto e branco?’”
Outros produtos, porém, continuam há décadas nas prateleiras, firmes e fortes, atravessando gerações, como a pomada Minancora, o creme Nívea, o Melhoral, o Leite Ninho e o Leite Moça, o sabão Omo, os chicletes Adams…
Algumas marcas se tornaram tão fortes que seus slogans nunca mais saíram da cabeça: o Bombril, aquele das 1001 utilidades, Se é Bayer é bom, Danoninho vale por um bifinho, Avon chama!
Quem usava a chave desse segredo era Henry Ford, que costumava dizer: “Se eu tivesse um único dólar investiria em propaganda.”

Quer baixar rapidamente e sem propaganda? Faça sua assinatura clicando aqui

1 comentário em “A alma do negócio – Alberto VillasAdicione o seu →

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *