A Águia e o Dragão: Ambições Europeias e Mundialização No Século XVI – Serge Gruzinski

A Águia e o Dragão: Ambições Europeias e Mundialização No Século XVI – Serge Gruzinski

A partir do século XVI, o destino dos homens – quisessem eles ou não – se desenrolava num palco planetário. No início dos anos 1520, enquanto Magalhães velejava rumo à Ásia pela rota do Ocidente, Cortés se apoderava do México-Tenochtitlán, e os portugueses, instalados em Malaca, sonhavam em colonizar a China. A águia asteca acabou sendo aniquilada, mas o dragão chinês eliminou os intrusos, não sem antes ter tomado os canhões deles.
Esses dois episódios assinalam uma etapa determinante em nossa história. Pela primeira vez, seres originários de três continentes se encontram, enfrentam-se ou se misturam. O Novo Mundo se torna inseparável dos europeus que vão conquistá-lo. E o Império Celestial se impõe, por muito tempo, como uma presa inacessível.
O historiador francês Serge Gruzinski narra esse confronto entre duas civilizações que contrastavam em tudo, mas que já fascinavam seus contemporâneos. Nesta nova e soberba exploração dos mundos do Renascimento, ele apresenta as engrenagens da globalização ibérica, que fez da América e da China parceiros indispensáveis para os europeus.

A partir do século XVI, o destino dos homens – quisessem eles ou não – se desenrolava num palco planetário. No início dos anos 1520, enquanto Magalhães velejava rumo à Ásia pela rota do Ocidente, Cortés se apoderava do México-Tenochtitlán, e os portugueses, instalados em Malaca, sonhavam em colonizar a China. A águia asteca acabou sendo aniquilada, mas o dragão chinês eliminou os intrusos, não sem antes ter tomado os canhões deles.
Esses dois episódios assinalam uma etapa determinante em nossa história. Pela primeira vez, seres originários de três continentes se encontram, enfrentam-se ou se misturam. O Novo Mundo se torna inseparável dos europeus que vão conquistá-lo. E o Império Celestial se impõe, por muito tempo, como uma presa inacessível.
O historiador francês Serge Gruzinski narra esse confronto entre duas civilizações que contrastavam em tudo, mas que já fascinavam seus contemporâneos. Nesta nova e soberba exploração dos mundos do Renascimento, ele apresenta as engrenagens da globalização ibérica, que fez da América e da China parceiros indispensáveis para os europeus.

1 comentário em “A Águia e o Dragão: Ambições Europeias e Mundialização No Século XVI – Serge GruzinskiAdicione o seu →

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *