15 livros que todos deveriam ler na escola

15 livros que todos deveriam ler na escola

Indicações aos estudantes de hoje, para estimular o gosto pela leitura. Confira aqui as indicações do #ExiladoLivros – vale comentar abaixo e deixar a sua indicação também

lendo1Indicações aos estudantes de hoje, para estimular o gosto pela leitura. Confira aqui as indicações do #ExiladoLivros:


 

O Mundo de Sofia, Jostein Gaarder

‘Romance filosófico’, funciona como um guia básico para as principais ideias da filosofia, usando a história de Sofia Amundsen, uma garota prestes a completar 15 anos.

Fahrenheit 451, Ray Bradbury

Um romance distópico que servia como crítica à sociedade americana quando foi publicado, em plena Guerra Fria, faz uma análise interessante e atual sobre o conceito de censura e de acesso ao conhecimento.

Série Harry Potter, J.K. Rowling

As famosas aventuras do bruxinho foram apontadas por vários de nossos leitores como porta de entrada para o mundo da literatura.

O apanhador no campo de centeio, J.D. Salinger

O livro foi publicado, originalmente, para adultos – mas com o passar dos anos se tornou uma obra juvenil, por tratar de temas típicos da adolescência. O protagonista, Holden Caulfield, pode ser considerado um ícone da rebeldia da juventude.

Série Vaga-Lume, editora Ática

Publicado especialmente para o público infanto-juvenil, as aventuras da série Vaga-Lume são praticamente unanimidade entre os nossos leitores. Contém clássicos como ‘O Escaravelho do Diabo’ e ‘A guerra do lanche’. Veja uma lista completa com todos os livros da coleção.

Orgulho e Preconceito, Jane Austen

Escrito há alguns séculos, o romance entre Elizabeth Bennet e Mr. Darcy poderia ser uma história água-com-açúcar sobre uma mocinha em busca do amor. Mas Jane Austen usa a ideia desse amor para fazer uma crítica à sociedade inglesa da época e também à construção do casamento.

As vantagens de ser invisível, Stephen Chbosky

Adaptado para os cinemas recentemente, esse novo clássico americano conta a história de Charlie, um adolescente com vários problemas e com dificuldades de fazer amigos. Através de cartas, Charlie conta como conhece Sam e Patrick e como a amizade acaba mudando sua vida. Emocionante.

1984, George Orwell

Também um clássico, retrata como um regime totalitarista resulta na opressão individual. É famosos por cunhar o conceito do ‘Grande Irmão’, a ideia de que o governo está sempre observando, acabando com a privacidade.

O Pequeno Príncipe, de Antoine de Saint-Exupéry

Se você acha que, pelo nome e pelas belas ilustrações coloridas, se trata de um livro (só) para crianças pequenas, está muito enganado. Com ideias profundas como “você se torna eternamente responsável por aquilo que cativa”, tem um alto teor filosófico.

A Revolução dos Bichos, George Orwell

O segundo Orwell da lista, conta como animais de fazenda se revoltam contra seu dono humano e instauram um novo regime. Uma sátira da União Soviética, mostra como a corrupção toma conta do sistema e como esse sistema logo se torna uma ditadura.

Capitães da Areia, Jorge Amado

Na Salvador dos anos 30, um grupo de meninos abandonados, liderados por Pedro Bala, rouba para sobreviver e, dentro de sua pequena comunidade, criam um sistema similar ao de uma família na falta de figuras paternas e maternas.

Meu pé de laranja lima, José Mauro de Vasconcelos

Conta a história de um menino de cinco anos chamado ‘Zezé’. Criado em uma família pobre, com muitos irmãos, tem em um pé de laranja-lima seu maior confidente, contando à árvore todas as suas aventuras.

O Hobbit, J. R.R. Tolkien

A introdução ao mundo de Tolkien, que se desenrola em “O Senhor dos Anéis”, conta a jornada de Bilbo Bolseiro, que sai de sua zona de conforto no Condado para ajudar um grupo de anões a recuperar seu tesouro e sua cidade, roubados por um dragão. É considerado um dos melhores romances infanto-juvenis da história.

Admirável mundo novo, Aldous Huxley

A distopia mostra uma sociedade dividida por castas (os mais bonitos/fortes são das castas principais), em que pessoas são condicionadas biologicamente e psicologicamente a obedecer a um sistema. Em meio à essa paz, chega um desconhecido, fruto de uma relação espontânea e fora do controle desse sistema, e, com ele, surgem questões sobre o estilo de vida dominante.

O Senhor das Moscas, William Golding

Em “O senhor das moscas” (1954), primeiro e mais conhecido romance de William Golding, trinta meninos são os únicos a se salvar de um naufrágio em que morrem todos os adultos. Enquanto tratam de sobreviver nessas condições, não tardam a criar dois grupos com os respectivos líderes. Ralph torna-se o cabeça dos que se dispõem a construir refúgios e dedicar-se à colheita, enquanto Jack se converte no chefe dos caçadores, animados por um espírito mais aventureiro. As tensões entre os bandos desembocam em enfrentamento. O senhor das moscas aborda a contraposição entre civilização e barbárie, o valor da disciplina, entre outros temas.